De pelo arrepiado, como se estivessem despenteadas, cinco novas crias de chita já exploram o espaço no Jardim Zoológico de Lisboa vigiadas de perto pela mãe, Dakartas. Na instalação do lado, e longe da vista, está o pai, Aska. As chitas encontram-se para acasalar e separam-se imediatamente. Dakartas tomará agora conta dos filhotes sozinha.

Esta é a segunda vez que o Zoo de Lisboa consegue reproduzir chitas (Acinonyx jubatus) – a primeira vez foi em 2013. Este sucesso é fruto das alterações feitas nas instalações da espécie, recriando algumas situações que teriam na natureza, atendendo aos requisitos que têm para se reproduzir. E o facto de machos e fêmeas só se encontrarem por breves instantes para a cópula e depois se separarem para sempre é um deles.

Chitas Jardim Zoológico_

As linhas pretas junto aos olhos ajudam a chita a parecer mais agressiva quando tem de enfrentar opositores e a proteger do Sol visto que caçam durante o dia – Jardim Zoológico de Lisboa

A reprodução das chitas sob cuidados humanos tem-se mostrado muito difícil, o que agrava os trabalhos de conservação da espécie, cujo estatuto é vulnerável. O animal terrestre mais rápido do mundo tem dificuldade em escapar-se às principais espécies ameaçadas: a destruição do habitat e o abate ou captura pelo homem. Como se não chegasse ter de lidar com os outros felinos da savana, mais fortes, que as matam para reduzir a concorrência ou lhe roubam as presas.

Com uma a cinco crias a nascerem em cada ninhada, a probabilidade de sobreviverem todas ou quase todas aumenta sob cuidados humanos. Na natureza algumas crias são mortas por leões, para controlarem a concorrência por presas, ou pelas potenciais presas, e para diminuírem o número de predadores. É que uma mãe chita para alimentar as crias têm de passar muito tempo longe do covil a caçar.

Estas crias, um macho e quatro fêmeas, nasceram no dia 21 de julho e ainda não têm nome.