FPF

Vítor Pereira diz que não sabia das ofertas aos árbitros

O presidente do Conselho de Arbitragem, Vítor Pereira, publicou um comunicado sobre as ofertas do Benfica aos árbitros, afirmando que não tinha conhecimento das mesmas.

O presidente do Conselho de Arbitragem afirma que só ficou a conhecer as "prendas" oferecidas pelo Benfica aos árbitros através do presidente do Sporting

MARIO CRUZ/LUSA

O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, Vítor Pereira, veio esta terça-feira manifestar-se pela primeira vez sobre as prendas oferecidas pelo Benfica aos árbitros portugueses, denunciadas pelo presidente do Sporting, Bruno de Carvalho.

Em comunicado, Vítor Pereira afirma que “não tinha conhecimento das ofertas feitas pelo Sport Lisboa e Benfica aos árbitros”, e que ficou a saber das mesmas devido à revelação de Bruno de Carvalho no programa Prolongamento da TVI, a 5 de outubro.

Vítor Pereira acrescenta ainda que enviou “a denúncia para os órgãos competentes da justiça desportiva assim que dela tomou conhecimento”, e que não lhe compete a si “fazer juízos de valor sobre o teor das revelações”.

Por último, o presidente do Conselho de Arbitragem manifestou ainda a sua confiança nos árbitros portugueses – mostrando-se convicto que a investigação “provará a seriedade dos árbitros” -, e apelou ainda a todos os intervenientes do futebol [português] para que “defendam a imagem da modalidade, o desportivismo e o faie-play“.

A denúncia de Bruno de Carvalho deu a conhecer que o Benfica oferecia a todos os elementos da equipa de arbitragem dos jogos na Luz e no Seixal (primeira e segunda equipas do clube), uma caixa de prenda, que incluía um almoço e uma camisola, num valor alegadamente superior a 200 euros. O código de ética da UEFA indica que os árbitros não podem “aceitar ofertas de valor superior a 200 francos suiços”, isto é, superiores a cerca de 180 euros.

As prendas eram entregues, segundo afirmou Bruno de Carvalho, aos quatro árbitros do jogo, a dois delegados e ao observador responsável pela avaliação dos árbitros.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)