Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

O avião russo que se despenhou no Sinai, Egito, provocando a morte de 224 pessoas, é já considerado um dos piores desastres da história da aviação russa. A mais jovem vítima era uma bebé de 10 meses, Darina Gromova. A sua última fotografia foi publicada há duas semanas pela mãe, Tatyana Gromova, na rede social Instagram, minutos antes de a família embarcar para umas férias em Sharm el Sheikh. A foto está a emocionar a sociedade russa, conta o El Mundo. 

Na foto pode ver-se a bebé Darina Gromova no aeroporto de Pulkovo, em São Petersburgo, com a mãos no vidro a olhar para a pista, antes de embarcar para o Egito. A mãe escreveu na legenda da fotografia que está a correr o mundo “Passageira VIP”, sem saber que aquela viagem não teria regresso. A fotografia está a ser utilizada pelos russos em mensagens de incentivo.

A imagem da bebé, colocada em vários locais em memória das vítimas, personifica a tragédia que vitimou outras 223 pessoas, de entre as quais 24 eram crianças. Segundo a BBC, a avó da bebé, Elena, contou que se tinha oferecido para ficar com a criança durante as férias de Tatiana e do marido Aleksei Gromova, mas revelou que ela estava decidida em levá-la.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Uma outra foto ícone da tragédia mostra um homem de 38 anos, Yuri Shein, com a sua filha de três anos ao colo, Anastasia, momentos antes do embarque no aeroporto de Sham el Sheikh. A fotografia foi publicada pela mãe, Olga Sheina, na rede social russa VK e na legenda, segundo a BBC, podia ler-se “Olá São Petersburgo, adeus Egito. Vamos para casa”.

olga sheina

Créditos: Olga Sheina/VK

Entre as vítimas, conta a BBC, estavam também vários estudantes e jovens que tinham ido passar férias com amigos e que foram partilhando a experiência nas redes sociais. 

“Nunca pensei que poderia ter uma tão boa impressão do Egito”, escreveu Viktoria Svryukova, de 24 anos, que publicou várias fotos na rede social VKontakte. “Gostaria de viver aqui? Não. Gostaria de voltar? Sim”, acrescentou. 

Os familiares, amigos e anónimos continuam a prestar homenagem às vítimas do acidente.