O Kremlin está mais perto de aceitar a hipótese de que o voo 7K9268 tenha caído devido a um ataque terrorista, por via de uma bomba detonada na aeronave. O primeiro-ministro Dmitry Medvedev admitiu essa hipótese através da rede social Twitter, mas apenas na sua conta em língua inglesa, não na conta em russo na rede social.

O Financial Times constatou que a mensagem foi colocada apenas na conta em inglês de Medvedev. Assim, trata-se de uma alteração da posição sempre defendida pelo Kremlin, de que ninguém deveria saltar para conclusões precipitadas sobre a causa da tragédia que vitimou 224 pessoas.

Um alto responsável da segurança interna dos EUA, Michael McCaul, afirmou nos últimos dias que há um “elevado grau de confiança” de que terá sido uma bomba colocada pelo chamado Estado Islâmico que causou a destruição do avião da companhia aérea russa MetroJet. Inicialmente, o Kremlin reagiu a análises como esta com fúria e a televisão estatal russa chegou, no fim de semana, a transmitir notícias que sugeriam que os serviços secretos de países do Ocidente seriam os responsáveis.

O governo russo tem tentado descartar qualquer ligação entre a queda do avião, que se dirigia para São Petersburgo com a maior parte dos passageiros de nacionalidade russa, e a recente intervenção militar russa na Síria.