Secretas

UE: Sem reforço da supervisão, serviços secretos podem ameaçar direitos fundamentais

Numa altura em que se discute a necessidade de dar mais poderes aos serviços secretos, a Agência dos Direitos Fundamentais da UE vem alertar para os riscos de uma vigilância sem vigilância.

Getty Images

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Os países da União Europeia (UE) devem fazer esforços sérios para que as leis que regulam a vigilância massiva sejam claramente entendidas por todos os cidadãos, no sentido de estarem salvaguardados todos os direitos fundamentais. A recomendação é feita pela Agência dos Direitos Fundamentais (FRA) da UE, num relatório onde destaca várias debilidades no enquadramento legal que regula a recolha e o tratamento de dados por parte dos serviços secretos dos países-membros.

O relatório analisa enquadramento legal e os potenciais riscos no que toca à proteção dos direitos humanos para os cidadãos que estão, de alguma forma, na mira dos serviços secretos. A análise foi preparada na sequência das revelações de Edward Snowden sobre os programas de espionagem conduzidos por vários países e que puseram meio mundo a discutir até onde podem ir os serviços secretos para garantir a segurança dos seus cidadãos. Um debate (segurança versus privacidade) que promete subir de tom depois dos mais recentes ataques em Paris.

Ora, uma das primeiras conclusões da FRA é que são raros os Estados-membros que definem claramente o que significa “segurança nacional” e em que casos se deve justificar o recurso a métodos de vigilância massiva. Esta área cinzenta, se explorada, coloca em risco os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. Além disso, refere o mesmo relatório, em apenas cinco países da UE a lei define claramente em que condições a “vigilância massiva” e a “vigilância orientada para certos grupos de pessoas” podem ser aplicadas.

Por outro lado, a FRA chama atenção para o facto de, em alguns Estados-membros, os órgãos competentes por regular e fiscalizar os serviços secretos terem muitas vezes o seu papel condicionado por terem um acesso limitado à informação.

Mais, adianta a Agência dos Direitos Fundamentais: os órgãos que supervisionam o trabalho dos serviços secretos veem muitas vezes o seu trabalho limitado por falta de conhecimentos, recursos, independência ou mesmo por falta de competências previstas na lei.

Nesse sentido, a FRA deixa um alerta: se os órgãos responsáveis por garantir o bom funcionamento dos serviços secretos não virem os seus poderes reforçados, as violações dos direitos fundamentais dos cidadãos não vão diminuir.

O caso português é um dos destacados pelo relatório da FRA, ainda que de forma pouco detalhada. A Agência recorda que os serviços secretos portugueses estão, de acordo com a Constituição, proibidos de fazerem vigilância. Além disso, Portugal é um dos poucos países, a par da Irlanda, Malta e Finlândia, em que os serviços secretos não respondem perante o Parlamento. 

De facto, os serviços secretos portugueses estão proibidos de identificar suspeitos, de procederem à detenção de qualquer pessoa (apenas em flagrante delito e com várias condições), de realizarem escutas ou qualquer outra interceção de comunicações, sejam chamadas telefónicas, correspondência ou quaisquer outras. 

Em agosto, depois de Cavaco Silva pedir a fiscalização prévia da constitucionalidade da nova lei das secretas, o Tribunal Constitucional chumbou o diploma desenhado entre a maioria PSD/CDS e o PS, que reforçaria substancialmente as secretas. Em causa, estava o reforço dos poderes de acesso a dados de tráfego nas comunicações, dados fiscais e dados bancários, por exemplo.

Os juízes do Ratton consideraram que o diploma contrariava o n.º 4 do artigo 34.º da Constituição, segundo o qual “é proibida toda a ingerência das autoridades públicas na correspondência, nas telecomunicações e nos demais meios de comunicação, salvo os casos previstos na lei em matéria de processo criminal”. 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)