Rádio Observador

EDP

Há mar e mar, há ir e velejar

247

Passam muitas horas na água e os fins-de-semana são dedicados à vela. Faça chuva ou faça sol, são dezenas as crianças e jovens que praticam a modalidade no Clube de Vela do Barreiro.

OBSERVADOR

Foi no passado dia 12 de dezembro que o Clube de Vela do Barreiro (CVB) organizou uma regata com o intuito de juntar 18 praticantes de várias idades. A interação entre os dois grupos serviu para que os menos experientes entrassem no espírito de competição a que os mais velhos já estão habituados.

Em entrevista ao Observador, Duarte Romão, presidente da direção, refere que “estas regatas internas têm o objetivo de criar sinergias entre as classes menos experientes (7-12 anos) e as classes mais experientes (12-14 anos). Os mais velhos acabam por ser uma espécie de ídolos da modalidade, uma vez que são eles que transmitem a sua experiência aos que agora começam”, refere.

Manuel Ramos tem 13 anos e olhos da cor do mar. Pratica vela há cinco por influência do irmão mais velho que já era praticante da modalidade. “Vim, experimentei e fiquei”, diz-nos. Está no 8º ano e aproveita os dias da semana para estudar. “Ao fim de semana tenho menos tempo pois venho treinar”. Consegue conciliar o estudo com a prática da vela de forma equilibrada até porque “tem boas notas”. Manuel leva a vela muito a sério, contando já com títulos de “campeão nacional de infantis, campeão ibérico e vice-campeão nacional”. A escola e a vela têm de andar a lado a lado.

Manuel Ramos, com 13 anos, é praticante de vela

Manuel Ramos, com 13 anos, é praticante de vela / OBSERVADOR

Duarte Romão refere que “somos um pouco exigentes e todos eles têm de ter boas notas e comunicar-nos os resultados escolares. É importante que percebam que a vela é um complemento do estudo e essa gestão é essencial”, assegura.

Conforme vão evoluindo, tornam-se mais exigentes. O medo faz parte ainda que Manuel não o sinta. “Estou a fazer o que gosto e sinto adrenalina”. É com agrado que participa na regata com os mais novos. “Também fui ajudado quando comecei e esta é uma forma de retribuir e tentar ajudá-los”, afirma. Tranquiliza os pais que têm receio da modalidade. “Estamos em segurança. Há sempre um barco de apoio para o caso de acontecer alguma coisa”.

Tiago Wanzeller, de 9 anos, pratica vela há dois. “Gosto muito de vela e de andar no mar”, explica. De sorriso cativante e expressão traquina, responde que sente algum medo sobretudo quando está muito vento.

Tiago Wanzeller tem 9 anos e pratica vela há dois

Tiago Wanzeller tem 9 anos e pratica vela há dois / OBSERVADOR

Perguntamos-lhe como reage quando isso acontece. “Folgo a vela, a proa ao vento e fico ali… Aponto para a direção do vento, o barco começa a parar e espero que o treinador venha ter comigo”, responde com a tranquilidade natural da idade. Tem boas notas mas não gosta muito de português. Prefere matemática. Sabe que tem de se aplicar na escola para conciliar com o desporto. “Quando trago trabalhos de casa ao fim de semana, costumo fazê-los antes da vela porque depois dos treinos volto muito cansado”. E desengane-se quem pensa que só os rapazes é que praticam vela. No CVB também há raparigas, embora em menor número.

Desenvolvimento de competências

Os treinos acontecem aos sábados e aos domingos. “Aqui no Barreiro temos o problema das marés, acabamos sempre por definir os horários de acordo com as mesmas. Quando está vazia, não dá para treinar”, salienta Duarte Romão.

E quais são, afinal, as vantagens da prática de vela para estas crianças e jovens? “O Optimist é um barco de iniciação, onde se começa a trabalhar muito cedo. Os miúdos estão dentro de água, num meio diferente daquele a que estão habituados, estão sozinhos, têm de perceber de onde vem o vento e conciliar uma série de situações difíceis”, acrescenta.

Os níveis de concentração são fundamentais, assim como a tomada de decisões. “A vela é o motor do barco, o que implica que tenham de estar sempre concentrados. Têm de pensar a nível de estratégia, são obrigados a tomar decisões e a estar atentos relativamente a uma série de fatores, dentro e fora do barco”. A estas vantagens, acresce o facto de terem de estar preparados para qualquer eventualidade. “Os treinadores não podem falar com eles a meio de uma prova”. Desenvolvem-se assim uma série de competências “essenciais para o seu crescimento e determinantes no futuro”.

A preparação para uma regata é feita por todos

A preparação para uma regata é feita por todos / OBSERVADOR

Estas regatas servem essencialmente para preparar os alunos para provas futuras. “É uma forma de ajudá-los a criar uma rotina e a prepará-los para uma competição”, sublinha o presidente, acrescentando ainda que “todos os finais de meses são organizadas experiências para quem quiser experimentar a vela, sem compromisso”.

Que critérios são precisos para praticar vela? Duarte Romão garante que apenas é preciso saber nadar. O facto de muitas vezes os filhos estarem horas seguidas ao vento e ao frio, faz os pais hesitarem na decisão de os deixar praticar o desporto. “Tem de se gostar bastante. Costumo dizer que quem aguenta o inverno não desiste”. A escola de Vela tem barcos, velas, coletes e fatos próprios. “Os barcos fazem a diferença mas quanto mais treinarem, melhor preparados ficam”.

E além de entrarem na água, trabalham coletivamente. São eles que preparam os barcos e tratam de toda a logística antes dos treinos. Ajudam-se todos em terra, mas dentro de água correm individualmente, promovendo-se uma competição saudável, em que só um chega à frente e ganha”, explica Duarte Romão.

Portugal recebe Mundial de Optimist

Esta é uma modalidade “cara” que requer algum investimento financeiro. Para fazer face às despesas, o CVB conta com alguns apoios particulares e coletivos. “Uma vela de competição custa aproximadamente 500 a 600 euros e é normal que se troque todos os anos. Por vezes, chegam a trocar de vela duas vezes por ano, ao contrário das escolas que não têm a mesma necessidade.

A EDP tem uma parceria com a Fundação Portuguesa de Vela

A EDP tem uma parceria com a Fundação Portuguesa de Vela / OBSERVADOR

A EDP dá-nos esse patrocínio através de uma parceria com a Federação Portuguesa de Vela”, refere o responsável. A empresa entrega mais de 400 velas a 47 escolas – onde se inclui o CVB – e ao Desporto Escolar, apoiando ainda a realização de campeonatos nacionais de infantis / juvenis, incentivando novas gerações a praticar desporto, em particular, as modalidades ligadas ao mar. “Este material é uma grande ajuda. É igual para todos os praticantes e tem uma grande durabilidade”, sustenta Duarte Romão.

O ano de 2016 vai ser marcante para a modalidade. O Mundial de Optimist vai realizar-se no mês de julho no Clube Internacional da Marina de Vilamoura. Portugal foi o escolhido entre cinco países que concorrem à organização da prova que decorreu na Argentina no ano passado.

Para mais informações, consulte o site optimistportugal.org.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)