Rádio Observador

Evolução Humana

Homem do gelo. Diz-me que bactérias tens no estômago e dir-te-ei de onde vens

As bactérias Helicobacter pylori vivem com o homem há milhares de anos e podem fornecer pistas sobre as migrações humanas. Agora, foram descobertas no estômago de Ötzi, o homem do gelo.

Ötzi ficou conservado num glaciar dos Alpes entre a Áustria e a Itália

GERHARD HINTERLEITNER/AFP/Getty Images

A bactéria Helicobacter pylori vive no nosso sistema digestivo – existe em pelo menos em metade da população mundial -, pode provocar lesões e úlceras gástricas e é uma das causas de cancro do estômago. Agora, os investigadores descobriram-na no estômago de Ötzi, um homem que morreu nos Alpes há 5.300 anos. Talvez fosse por isso que no mesmo órgão tivessem sido encontradas também plantas medicinais para aliviar as dores de estômago, refere El País.

Além da bactéria no estômago, Ötzi tinha a doença de Lyme (normalmente transmitida pelas carraças), cáries e artrite, lembra a agência noticiosa Sinc. Mas o homem que teria cerca de 4o ou 50 anos, 50 quilos e 1,59 metros, foi morto por outro motivo: pode ter sido espancado até à morte, segundo a revista Science – tinha a mão cortada, uma seta de pedra no ombro e um golpe no crânio. Ötzi foi encontrado em 1991 num glaciar dos Alpes de Ötztal, na fronteira da Áustria com a Itália, a cerca de 3.200 metros de altitude. No início os alpinistas que descobriram o corpo pensavam tratar-se de outro alpinista que tivesse morrido naquelas montanhas, mas a múmia pertencia a um homem da Idade do Cobre (Calcolítico).

TO GO WITH STORY BY PIERRE FEUILLY A statue representing an iceman named Oetzi, discovered on 1991 in the Italian Schnal Valley glacier, is displayed at the Archaeological Museum of Bolzano on February 28, 2011 during an official presentation of the reconstrution. Based on three-dimensional images of the mummy's skeleton as well as the latest forensic technology, a new model of the living Oetzi has been created by Dutch experts Alfons and Adrie Kennis. AFP PHOTO / Andrea Solero (Photo credit should read Andrea Solero/AFP/Getty Images)

Ötzi tinha uma seta de pedra no ombro e um golpe no crânio que poderão ter sido a causa de morte – Andrea Solero/AFP/Getty Images

Mas qual a importância das bactérias estomacais de um homem pré-histórico? É que embora o homem se encontrasse na Europa, as bactérias são geneticamente mais semelhantes às estirpes asiáticas. Já a estirpe de Helicobacter pylori presente nos europeus modernos conta com uma contribuição das bactérias do norte de África, refere The Guardian.

Estes resultados, publicados na revista científica Science, podem trazer novas pistas sobre as migrações humanas há milhares de anos e sobre a história da população, visto que, normalmente, o mesmo tipo de bactéria tende a aparecer nos elementos da mesma família. Em relação à estirpe de Helicobacter pylori europeia, os investigadores acreditam que tenha resultado de uma combinação das estirpes asiática e africana. Mas agora consideram que só terá acontecido depois de Ötzi, o homem do gelo, ter andado pela Europa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)