O francês Antoine Meo (KTM) venceu este sábado em motos uma sétima etapa atribulada do rali todo o terreno Dakar 2016, marcada por uma morte e pelo mau tempo, enquanto Paulo Gonçalves (Honda) terminou na 31º posição por ter perdido mais de 10 minutos a ajudar o austríaco Matthias Walkner (KTM), que sofreu uma queda e partiu uma perna.

Por essa razão, até final do dia, a organização da prova deverá retirar a Gonçalves o tempo que gastou a auxiliar Walkner, o que deixará o português novamente na liderança das motos.

“No início da especial, parei para ajudar Matthias Walkner, que sofreu uma queda. Eu fiquei com ele até que o Pablo Quintanilla chegou. Estou bastante satisfeito com a etapa de hoje, até agora. Se eu puder repetir isso na segunda semana, ficaria, certamente, muito contente, mas acho que as etapas seguintes serão muito diferentes. Vamos a ver”, afirmou o piloto da Honda.

A tirada ligou Uyuni, na Bolívia, a Salta, na Argentina, num total de 793 quilómetros, 230 dos quais cronometrados. Antoine Meo ganhou a etapa com 1.53 minutos de vantagem sobre o argentino Benavides (Honda), segundo mais rápido, e 03.51 face ao compatriota Metge (Honda), terceiro.

O luso Hélder Rodrigues foi quarto classificado da etapa, a 4.28 minutos do vencedor, e segue no sexto posto da geral, seguido de Mário Patrão (KTM), em 25.º, e Pedro Bianchi Prata (Honda), em 48.º.

Nos carros, o espanhol Carlos Sainz (Peugeot) venceu a etapa com uma vantagem de 38 segundos sobre o francês Sebastien Loeb (Peugeot), que foi o segundo mais rápido e recuperou a liderança da prova. O antigo campeão de ralis tem agora mais dois minutos (2.22) de vantagem sobre o francês Peterhansel (Peugeot), que segue no segundo posto, enquanto Saiz é terceiro, a 4.50 de Loeb.

O dia ficou marcado pela morte de um homem de 63 anos, depois de ter sido atingido pelo carro do piloto francês Lionel Baud. “Um acidente ocorreu durante o quilómetro 82 da etapa, ainda em território boliviano, quando o competidor com o carro 409, Lionel Baud, colidiu com um homem de 63 anos que apareceu isolado no trajeto”, referiu a organização do Dakar2016 em comunicado, acrescentado que as autoridades bolivianas “já estão a investigar” o ocorrido.

Por causa do mau tempo, a sétima etapa chegou a estar interrompida e foi encurtada para 230 quilómetros em vez dos 353 agendados. No domingo, o Dakar 2016 cumpre o único dia de descanso.