Animais

Associações lançam petição pública para acabar com a venda de animais no OLX

3.708

Duas associações portuguesas de apoio animal lançaram uma petição pública online para acabar com a venda de animais em plataformas de classificados, como o OLX ou o Custo Justo.

A maioria dos animais é de raça e encontra-se à venda por um preço inferior ao praticado pelas lojas

Oli Scarff

A Garra e a Amover, duas associações de apoio animal sem fins lucrativos, lançaram uma petição pública para acabar com a comercialização de animais em plataformas de classificados online. Para além de exigirem a criação de uma lei que termine com a venda ilegal de animais na internet, as associações pretendem que seja impedido o comércio “sem as devidas condições” e “a sua promoção como objeto de troca”.

Nas plataformas de classificados online, como o OLX ou o Custo Justo, são vários os anúncios que promovem a venda de animais domésticos ou exóticos. O preço é geralmente inferior ao praticado pelas lojas de animais e criadores certificados e, em muitos casos, os animais, geralmente de raça, são oferecidos em troca de objetos que tenham interesse para o vendedor, como bilhetes para concertos, computadores ou até armas.

pastora

“Estas plataformas permitem a venda ilegal de animais exóticos” por “criadores não registados pelas autoridades competentes”, referiram A Garra e a Amover em comunicado. “A venda de animais por parte destes criadores não credenciados leva não só a um aumento do tráfico de animais exóticos, mas também ao de espécies da nossa fauna. Não havendo nenhum controlo, é impossível saber-se se os animais vendidos provêm de um criador ou se são retirados ilegalmente da natureza.”

Mafalda Campos, da Amover, garante que é possível encontrar todo o tipo de animais exóticos à venda no OLX ou no Custo Justo, desde cobras a macacos. “Existe um vendedor que envia tarântulas por correio. Isso é um perigo”, disse ao Observador.

No que diz respeito ao comércio de animais domésticos, como cães e gatos, as duas associações consideram que a maioria dos criadores são acumuladores de animais, “pessoas que fazem criação em condições miseráveis, sem higiene nem preocupações pelo bem-estar dos animais”. “Estes animais raramente são desparasitados, tornando-se num foco de doenças.” Para além disso, a acumulação de animais faz com que, muitas vezes, os animais sofram de problemas ao nível do comportamento. Tornam-se agressivos e podem mesmo chegar a auto-mutilar-se.

“Existem ainda animais que são trocados por itens, como smartphones e outros gadgets, como se de objetos se tratassem. Esta é uma imagem degradante da nossa sociedade, que deve estar mais envolvida e preocupada com o bem-estar animal”, refere ainda o comunicado emitido pelas associações.

Sagui

A petição, lançada no início deste mês, é dirigida ao Presidente da Assembleia da República, ao diretor-geral da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e ao Presidente do conselho diretivo do Instituto para a Conservação da Natureza e Florestas (ICNF). Conta já com 2.165 assinaturas.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)