Pedro Sánchez rejeitou a proposta de Pablo Iglesias de uma “negociação única e exclusiva”, refere o El País. À saída de uma reunião com o dirigente do Podemos, Sánchez insistiu que o PSOE quer manter um diálogo “amplo” e que vai continuar a falar com todas as outras formações políticas espanholas, incluindo com o Ciudadanos, que Iglesias tentou que fosse descartado das negociações.

Pablo Iglesias terá tentado encostar Sánchez à parede, pedindo-lhe que escolhesse entre formar um governo com o Podemos ou com o Ciudadanos. De acordo com o El País, Iglesias terá inclusive anunciado ao líder do PSOE que se recusa a avançar com as negociações enquanto os socialistas mantiverem contacto com Albert Rivera. “Se o PSOE quer trabalhar nesse sentido, estamos prontos de imediato. Mas se pensam que pode virar à direita ao mesmo tempo que planeia a outra opção, nós não estamos de acordo com isso”, referiu o secretário-geral do Podemos.

Apesar da posição de Iglesias, Sánchez garante que “a porta irá continuar aberta”. “Há coisas que nos separam, mas há uma que nos une a todos — temos de acabar com o Governo de Mariano Rajoy e do PP”, disse dirigindo-se a Pablo Iglesas e apelando para que este reconsidere a sua posição que, caso contrário, só irá beneficiar o atual primeiro-ministro.

“O PP agora está com pressa para que eu seja empossado presidente. É curioso que aqueles que permitiram este impasse queiram agora colocar um prazo de poucas semanas”, acrescentou Pedro Sánchez, referindo-se ao pedido dirigido pelos populares ao congresso de deputados para que a posse aconteça a 22 de fevereiro, limitando assim o tempo de negociações do PSOE. A Rajoy, Sánchez deixou uma mensagem: pediu ao líder popular que “pegasse no telefone” e lhe ligasse. “Estou à espera do seu telefonema.”