Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Costa não gosta de pôr as culpas em Bruxelas, mas afirmou, neste sábado, que “o Orçamento do Estado estava melhor antes da intervenção da Comissão Europeia”. O primeiro-ministro defendeu que nas negociações com Bruxelas não foi sacrificado nada “essencial”, mantendo os compromissos com os eleitores socialistas e com os partidos à esquerda que apoiam o Governo no Parlamento. E deixou críticas ao comportamento da direita nas últimas semanas.

“Lamentável”, foi como António Costa qualificou o comportamento do PSD e do CDS nas últimas semanas, enquanto o Governo negociava o esboço do Orçamento do Estado com a Comissão Europeia. “Havendo negociação entre Portugal e União Europeia, só há um lado para estar”, indicou o primeiro-ministro perante uma plateia repleta numa sessão de esclarecimento organizada pelo PS onde várias pessoas interpelaram diretamente o socialista.

O primeiro-ministro disse que “as divergências sobre quadros de previsão são normais” e que um dos maiores equívocos foi o facto de a Comissão julgar que medidas eram definitivas quando era “de natureza temporária” – “Por ela própria ou porque foi induzida em erro”.

Quanto ao Orçamento apresentado na sexta-feira no Parlamento, o primeiro-ministro não duvida que a proposta inicial que o Governo a Bruxelas era “melhor”. “As pessoas conhecem a proposta de OE que tínhamos antes desta discussão e o que apresentámos depois. Conseguimos fazer esta discussão salvaguardando compromisso essenciais com eleitores e com os partidos que nos apoiam no Parlamento”, defendeu o socialista.

Sobre os impostos e quem ficou a ganhar ou perder com este orçamento, António Costa afirmou que “todos aqueles que trabalham, ganham relativamente ao ano anterior” e que o conselho que deixa a quem viu o preço do tabaco, dos combustíveis e do crédito a aumentar é que usem “mais transportes públicos”, que “deixem de fumar” e que “moderem” o recurso ao crédito.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR