As autoridades chinesas anunciaram este sábado a substituição do líder do regulador da bolsa chinesa, no seguimento da crise bolsista do verão passado e da turbulência do princípio deste ano, escolhendo o presidente do Banco Agrícola.

De acordo com uma notícia da agência de notícias oficial chinesa, a Xinhua, citada pela espanhola Efe, Liu Shiyu será o novo presidente da Comissão Regulador do Mercado de Valores da China (CRMV), substituindo Xiao Gang, o destinatário de duras críticas nos últimos meses pela gestão da crise bolsista na segunda maior economia do mundo.

A decisão mostra as enormes pressões a que o Executivo de Pequim está sujeito, no seguimento de uma crise bolsista que afetou milhares de pequenos aforradores e que surge na sequência do abrandamento do crescimento da economia chinesa, que desceu para valores abaixo dos 7% pela primeira vez na última década.

“Os principais departamentos responsáveis tomaram decisões inadequadas”, disse esta semana o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, numa reunião do Conselho de Estado chinês, referindo-se aos responsáveis pela regulação do mercado de valores.

No verão passado, a bolsa chinesa chegou a perder 40%, obrigando a uma intervenção das autoridades do país, que conseguiram acalmar os mercados, mas no princípio deste ano os receios voltaram, e no final de janeiro a bolsa de Xangai perdeu novamente 25% do valor da ações.

O novo presidente da CRMV vai gerir um mercado com cerca de 100 milhões de investidores individuais que é assumidamente distorcido pela intervenção estatal e pelas regras a que as empresas públicas e privadas estão sujeitas para poderem investir na bolsa.