O banco HSBC anunciou hoje ter fechado 2015 com lucros líquidos de 13,52 mil milhões de dólares (12,16 mil milhões de euros), menos 1,2% face a 2014.

O presidente do grupo, Douglas Flint, descreveu o desempenho como “globalmente satisfatório” em comunicado, em que atribui a diminuição dos lucros líquidos do maior banco da Europa ao que denominou de “mudanças sísmicas” na economia mundial.

“2015 foi marcado por algumas mudanças sísmicas nas condições económicas globais, mais notavelmente pela continuação de um forte declínio nos preços das ‘commodities’ [matérias-primas] e do petróleo, em parte atribuídas às crescentes preocupações relativamente ao abrandamento económico da China”.

Assim, “como consequência, a política monetária permaneceu acomodatícia nas principais economias desenvolvidas e as taxas de câmbio de referência mantiveram-se a níveis historicamente baixos. As prioridades fiscais continuaram focadas no controlo dos gastos, uma ênfase replicada no setor privado com o fraco crescimento das receitas a persistir em muitas indústrias”, refere a mesma nota.