Fotografia

Um português entre os finalistas dos Prémios Mundiais de Fotografia Sony

Uma fotografia na Patagónia chilena deu, a Adriano Neves, um lugar entre os finalistas dos Prémios Mundiais de Fotografia Sony, o único português entre cerca de 270 representantes de mais de 60 países.

FRANCK ROBICHON/EPA

Uma fotografia na Patagónia chilena deu, a Adriano Neves, um lugar entre os finalistas dos Prémios Mundiais de Fotografia Sony, o único português entre cerca de 270 representantes de mais de 60 países, foi hoje anunciado.

Adriano Neves é um dos dez finalistas da categoria Open Travel, com o tema Viagem, aberta a fotógrafos não profissionais.

Com os “Cuernos del Paine”, dois picos das cordilheiras montanhosas do Parque Nacional Torres del Paine, refletidos sobre o lago Nordenskjöld, a fotografia foi feita ao início da manhã e o autor disse à agência Lusa que se destacou pela “forte mensagem de serenidade, acompanhada também de uma complexidade visual que a torna bastante intrigante”.

A fotografia foi captada durante uma viagem pela América do Sul, no ano passado, mas, para ter acesso a esta paisagem, Adriano Neves precisou de algum esforço.

“Para chegar a este local em concreto, acampámos junto ao lago Pehoé e arrancámos de madrugada, com muito poucas horas dormidas, para a zona da cascata Salto Grande e do lago Nordenskjöld”, contou.

Apesar de ter formação em Engenharia Civil, Adriano Neves, natural de Tomar e residente em Lisboa, assume como atividade profissional a fotografia, nas áreas de arquitetura e de viagem, sobretudo na vertente de paisagem.

Adquiriu a primeira câmara semiprofissional há apenas três anos, mas desde então passou a dedicar-se mais ao passatempo e a tratar as suas viagens “como pequenos projetos de aprendizagem e construção de portfólio”.

Adriano Neves já tinha sido selecionado no ano passado para esta mesma competição e a sua fotografia, feita na Islândia, foi considerada a melhor entre candidatos portugueses, tendo ainda sido incluída nas 50 melhores da categoria Panorâmica.

A sua fotografia foi uma das 230.103 imagens submetidas a concurso por fotógrafos de 186 países, tendo Portugal quase duplicado, segundo a organização, o número de entradas relativamente a 2014.

Adriano Neves vai conhecer, a 29 de março, se é vencedor ou não na sua categoria, mas terá de esperar até 21 de abril para saber se foi escolhido como Fotógrafo do Ano nas secções abertas a não profissionais e se ganhou os 5.000 dólares (4.538 euros) do respetivo prémio.

O resultado será anunciado numa gala em Londres, a par dos vencedores das categorias para profissionais, para jovens e para estudantes.

Entretanto, a fotografia de Adriano Neves fará parte de uma exposição dos Prémios Mundiais de Fotografia Sony, em Londres, de 22 de abril a 08 de maio, e será incluída na edição do livro que contém as melhores imagens da competição deste ano.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)