456kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

João Soares promete bofetadas a Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente

Este artigo tem mais de 5 anos

O ministro da Cultura prometeu na sua página de Facebook procurar o crítico Augusto M. Seabra para lhe dar "prometidas bofetadas". Vasco Pulido Valente também é visado.

i

TIAGO PETINGA/LUSA

TIAGO PETINGA/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O ministro da Cultura, João Soares, prometeu duas bofetadas a Augusto M. Seabra, crítico, depois de este ter escrito na sua coluna de opinião que o ministro não tinha qualificações para o lugar. Soares espera ter a “sorte” de se cruzar com o crítico, afirmando mesmo que o vai procurar para lhe aplicar duas bofetadas.

Em 1999 prometi-lhe publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir. Não me cuzei com a...

Publicado por João Soares em Quarta-feira, 6 de Abril de 2016

Também Vasco Pulido Valente, historiador e colunista, é visado nesta ameaça, embora João Soares não esclareça diretamente a ofensa de Pulido Valente. No entanto, este cronista tinha escrito no início de março que não tinha “qualquer respeito nem como homem, nem como político” por João Soares.

Já no texto de Augusto M. Seabra, crítico, publicado na quarta-feira este afirma que “o tão badalado ‘tempo novo’ é na cultura apenas o “tempo velho” dos hábitos socialistas” e que João Soares é um “derrotado nato”.

Que um governante se rodeie de pessoas de confiança é óbvio. Mas no caso do gabinete de Soares trata-se de uma confraria de socialistas e maçons. Depois começou a distribuir elogios: foi à ante-estreia de Um Amor Impossível pela sua “grande admiração pela obra notável de António-Pedro Vasconcelos”; destacou “o trabalho notável de Paulo Branco” quando foi à rodagem do filme de Fanny Ardant; foi às Correntes de Escrita porque “a Maria do Rosário Pedreira e o Manuel Alberto Valente” lhe recomendaram. A isto se chama amiguismo, o gesto mais clamoroso sendo a nomeação de um velho apparatchik, Elísio Summavielle, para o CCB, em lugar de António Lamas, que por muitas razões que houvesse para ser substituído o foi de modo grosseiro”, lê-se na mais recente crónica de Seabra.

O conflito entre o ministro e o crítico já dura há alguns anos e João Soares escreve na sua página do Facebook que já em 1999 queria dar “um par de bofetadas” no crítico que teria “bolsado […] umas aleivosias e calúnias” sobre o agora ministro. O socialista conclui o seu texto afirmando que terá de procurar Augusto M. Seabra – e Vasco Pulido Valente – para “as salutares bofetadas”. “Só lhes podem fazer bem. E a mim também”, conclui João Soares. O ministro já disse à TSF que só comentará esta situação mais tarde.

Manuel Falcão, ex-jornalista e gestor cultural, comentou a publicação de João Soares dizendo que o título da prosa poderia ser “sobre a maneira como um Ministro vê a resolução das contradições na sua política cultural”. “E se depois disto me quiserem vir dar um par de bofetadas, pois que tentem, quando me virem”, afirmou o antigo jornalista.

Esta não é a primeira vez que o ministro da Cultura se tinha manifestado na sua página contra os críticos do seu mandato. Na sequência da demissão de António Lamas, Soares já tinha garantido que não era possível intimidá-lo. “Se pensam que me intimidam desenganem-se”, escreveu o socialista em resposta à coluna de opinião de José Manuel Fernandes no Observador.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.