O vocalista da banda irlandesa U2 sugere que a melhor maneira de combater os terroristas é através do humor e da comédia: “Se te rires deles quando “desfilam” pela rua, estás a tirar-lhes poder”.

O músico e ativista esteve presente esta terça-feira no Congresso dos Estado Unidos da América, após várias visitas por campos de refugiados no Médio Oriente e África Oriental como parte de uma delegação americana liderada pelo senador republicano Lindsey Graham.

Bono defende que a ajuda para 2016 “não é caridade” mas sim a “segurança nacional”. Falou também da sua estratégia para combater a violência extremista de vários grupos, como é o caso do Estado Islâmico. “Acredito que a comédia devia ser implementada”, disse Bono antes de assinalar os atores Chris Rock, Amy Schumer ou Sacha Baron Cohen como os primeiros humoristas a enviar para o terreno.

Segundo o vocalista dos U2, o que se está a passar “não é novo”. Para Bono, quando se usa a violência “estás a falar a linguagem deles”. Contudo, afirmou: ” Se te rires deles quando “desfilam” pelas ruas, estás a tira-lhes poder”.

Bono pediu aos presentes que não se rissem da sua ideia. Algo que, como seria de esperar, não aconteceu. A sua proposta despertou alguns sorrisos na audiência. A própria senadora democrática do New Hampshire, Jeanne Shahenn, afirmou que não era a primeira vez que ouvia uma proposta destas.

Juntamente com a sua intervenção, Bono quis dar a conhecer mais detalhadamente a sua experiência no Quénia, Jordânia, Líbano e Turquia no jornal The New York Times, com um artigo intitulado ” Um Plano Marshall para os refugiados”.