Rádio Observador

Beleza e Bem Estar

Uma coisa de cada vez: em defesa do “monotasking”

419

Depois de anos a incutir nos mais novos as mais-valias do multitasking, eis que se descobriu que afinal ele não é o Santo Graal da produtividade. Fazer uma coisa de cada vez é bom e recomenda-se.

Ser moderno é multiplicar tarefas mas isso significa prestar menos atenção a cada coisa que se faz.

mayrum/iStock

Autor
  • Carolina Santos

Multitasking deve ser a palavra mais utilizada nos currículos dos jovens deste país. Basicamente é a capacidade de realizar mais do que uma tarefa ao mesmo tempo, que no fundo poderá traduzir-se na capacidade do ser humano de se converter numa máquina para se destacar dos outros ou não perder o trabalho. O problema é que pelo caminho as pessoas esqueceram-se do ditado: depressa e bem não há quem.

Depois de anos de treino para conseguir fazer várias coisas em simultâneo tornou-se difícil — se não mesmo impossível — concentrar a atenção numa só atividade. Já ninguém consegue só ler ou só escrever, é preciso ver televisão, ouvir música, espreitar as redes sociais, falar ao telemóvel ou até mesmo comer.

Mas segundo um estudo publicado já em 2014 no Journal of Experimental Psychology, breves interrupções de apenas dois ou três segundos foram suficientes para os participantes duplicarem os erros cometidos a realizar determinada tarefa.

De salientar que o monotasking não passa somente por fazer uma tarefa de cada vez. De acordo com o The New York Times, este é o termo do século XXI para o “prestar atenção” que os professores tanto diziam no século passado.

E a verdade é que por mais que os seres humanos achem que não, todos temos capacidades neurológicas limitadas que enfraquecem de cada vez que trocamos de tarefa como quem troca de camisola, especialmente para quem trabalha online. Segundo um estudo da Universidade da Califórnia, as pessoas trocam de tarefas cerca de 400 vezes por dia, por isso é que se sentem tão cansadas antes de ir dormir. No fim da noite o corpo está tão desgastado que a única coisa que se consegue fazer é fazer scroll no feed do Facebook, sem reação e sem sequer perceber bem o que se está a ver.

Não quer isto dizer que o multitasking não seja importante, porque é, principalmente se tiver muita coisa para fazer ou se for pai de uma criança pequena, onde é mesmo indispensável. O que quer dizer é que o multitasking não se pode tornar o centro do dia-a-dia porque acaba com o foco em todo o resto. Mesmo correndo o risco de cair numa generalização, é possível dizer que já ninguém consegue ler um livro durante muito tempo porque se habituou a ser distraído facilmente de uma atividade e sente a necessidade de novos estímulos.

Embora não seja fácil reprogramar o cérebro, o segredo está em relembrar quão bom é poder fazer uma coisa de cada vez, e aqui praticar exercício pode ajudar, porque pelo menos vai mantê-lo longe da caixa de entrada do e-mail.

No entanto, a ao contrário do que possa pensar, o monotasking não se refere unicamente a tarefas relacionadas com o trabalho. Parar para ouvir alguém e efetivamente prestar atenção ao que ele diz também é monotasking e se quer ter impacto em alguém esse é o caminho a seguir.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)