Os amigos fazem-nos bem, isso é ponto assente. Mas os verdadeiros amigos, aqueles que estão lá para todas as ocasiões, são muito mais do que um ombro para chorar ou bons companheiros de copos. Eles têm o poder de nos fazer lidar melhor com a dor física.

Quem o diz é um novo estudo publicado na Scientific Reports. Para chegar a estes resultados, os investigadores reuniram 101 adultos saudáveis e perguntaram-lhes quantos amigos próximos tinham, sendo um amigo próximo aquele com quem se fala uma vez por mês (e o íntimo aquele com quem se fala pelo menos uma vez por semana).

Estudos mais antigos já tinham sugerido que as endorfinas (hormonas libertadas pelo cérebro que regulam a dor e nos fazem sentir bem) estão relacionadas com a interação social, o que significaria que pessoas com mais amigos teriam maior tolerância à dor — sendo precisamente sobre isso que o novo estudo se debruçou.

Para provar esta teoria os investigadores do novo estudo pediram aos participantes que se sentassem encostados a uma parede sem uma cadeira, isto é, em posição de agachamento — aquela que, sabe quem já fez, custa horrores. Os participantes com mais amigos conseguiram manter a posição durante mais tempo: segundo a Time, os investigadores acreditam que isso se deve ao facto de a atividade das suas endorfinas ser mais forte.

Este efeito foi comprovado mesmo depois de os investigadores controlarem a condição física dos participantes. E, curiosamente, os que estavam mais em forma tinham tendência a ter menos amigos (se calhar porque tinham menos tempo). As pessoas com mais stress também foram associadas a grupos de amigos mais pequenos.

No entanto, serão necessários novos estudos (ainda mais), para ter a certeza de que as amizades podem, de facto, proteger o ser humano da dor. Até lá cultive as amizades, de preferência ao vivo e a cores e não pelas redes sociais.