436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O videojogo português que nasce de uma história de amor. Com 9.110 quilómetros de distância

Este artigo tem mais de 5 anos

Gonçalo Henriques está a desenvolver o Crystalverse em direto no Twich.tv e toda a gente pode ver como se programa uma história de amor: a sua e a de Mariana Fernandes.

Gonçalo Henriques deverá terminar o Crystalverse, que desenvolve desde outubro de 2015, daqui a três anos
i

Gonçalo Henriques deverá terminar o Crystalverse, que desenvolve desde outubro de 2015, daqui a três anos

ANDRÉ MARQUES / OBSERVADOR

Gonçalo Henriques deverá terminar o Crystalverse, que desenvolve desde outubro de 2015, daqui a três anos

ANDRÉ MARQUES / OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há três anos, Gonçalo Henriques foi trabalhar para São Francisco, nos Estados Unidos. Tinha 30 anos e namorava há ano e meio com Mariana Fernandes. Pelo meio, 9.110 quilómetros de distância e oito horas de diferença horária. Ele estava a dormir quando ela acordava. Ela adormecia quando o dia dele ia a meio. Estavam “desfasados”, conta. “Como se estivéssemos em duas realidades diferentes”. Hoje, a realidade é a mesma: Gonçalo mora com Mariana, em Lisboa, e lançaram os dois uma startup, a Arcade Thumb. E é lá que entre linhas de código e pixels programam a sua história – de amor e de desencontro – em direto, para toda a gente ver. E jogar.

A história do videojogo que o Gonçalo está a programar em direto no Twich.tv é esta: a de duas personagens – dois exploradores (um rapaz e uma rapariga) – que estão divididos em duas realidades paralelas “e têm de saber comunicar, para interagir e resolver os puzzles” do jogo. Margem para conversarem? Só alguma e em determinadas zonas. Tal como aconteceu com ele e Mariana no passado. Nome do jogo: Crystalverse.

“[Quando estava nos EUA] era muito difícil comunicarmos, era muito fácil chatearmo-nos por qualquer coisa. Havia ali umas oito horas em que ninguém falava. E havia um clima estranho”, lembra.

Há paixões que nascem cedo e duram para a vida. Na vida de Gonçalo, Mariana não era a primeira. Primeiro, foi o Gameboy (da Nintendo), continuou na Playstation 1 (da Sony) , chegou à Nintendo e mais tarde ao computador. “Nunca mais parei”, conta ao Observador. O amor pelos videojogos levou ao amor pela programação. Hoje é, a tempo inteiro, iOS developper (faz aplicações para dispositivos iOS) noutra startup. A Arcade Thumb e a história de amor do Crystalverse fica reservada para os tempos livres e em direto. Mas não é a única.

Além de apaixonado por Mariana, Gonçalo é daltónico, ou seja, não consegue distinguir corretamente as cores. E isso fez com que tivesse de passar por várias dificuldades enquanto jogava. Problema? Não, solução. Quando começou a desenvolver os seus próprios jogos – o Colortrix e o Crystalverse -, adaptou-os para daltónicos. E foi além. Conseguiu entrar em contacto com o estúdio alemão Pixel Maniacs para lhes dizer que não conseguia jogar o Chromagun.

“Disse-lhes: vejam lá isso que eu não consigo jogar. Já desenvolviam um modo para daltónicos. Se precisarem de ajuda contem comigo”, lembra.

Do outro lado, obteve resposta. Os responsáveis garantiram-lhe que já estavam a tratar disso e Gonçalo Henriques decidiu fazer o que chama uma “experiência social”: jogou Chromagun também em direto até à última sexta-feira. Porque queria “mostrar ao mundo a dificuldade” de os daltónicos jogarem jogos não adaptados, enquanto fazia sugestões de alterações ao jogo. “[Enquanto programador] tenho de ter sempre isto em mente, claro. Caso contrário nem eu consigo testar o meu jogo. Desde que o jogo é construído tem que estar preparado para isso, para que o daltónico consiga perceber”, diz.

Aulas de programação em direto para 267 seguidores

Conciliar o trabalho com a “experiência social” que foi o Chromagun e a transmissão em direto da sua história de amor com Mariana “não é fácil”, conta. “Há ainda a família, os amigos, sair à noite. Às vezes acontece ser tudo ao mesmo tempo. É preciso saber balancear e é preciso ter uma grande paixão”, diz. Tem contado com o apoio da startup em que trabalha, que tem sido “muito flexível” em termos de horários.

A transmissão em direto do processo de construção do Crystalverse — que “ainda vai demorar três anos” a finalizar – vai continuar no canal que detém no Twich.tv, uma plataforma online de streaming na área dos videojogos, que conta com mais de 45 milhões de utilizadores e visitantes todos os meses. Todas as semanas, Gonçalo partilha as duas realidades paralelas com 267 seguidores.

“Não só é bom para estar focado, como também é bom para as pessoas perceberem a dificuldade que é fazer um jogo”, que “demora tempo, dá trabalho. Não é só ‘tive esta ideia hoje e amanhã está pronto’, como alguns pensam”, diz.

O programador conta que as pessoas utilizam o chat do Twich para tirar dúvidas e aprender, tornado a transmissão do videojogo uma aula de programação. Mais uma vez, a importância da comunicação. “A comunicação foi muito importante para eu e a Mariana continuarmos a nossa relação. E, quando falámos em realidades paralelas, nós pensámos que isto era o que nos acontecia: só em certas zonas horárias é que estávamos juntos”, explica. Agora, estão juntos em Lisboa. A programar em casa as realidades paralelas que deixaram para trás.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.