Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A data já tinha sido anunciada pelo Observador no final de março mas, mesmo assim, já se sublinhava que podia não ser definitiva. Agora, Amadeu Guerra reforça que não há garantias de que a Operação Marquês, processo em que está envolvido José Sócrates, encerre a 15 de setembro.

Em entrevista à SIC, o diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) admitiu que aquele processo é “uma prova de fogo” e que, a menos de dois meses da data, ainda não garante que o processo fique fechado. Mesmo questionado sobre faltar pouco tempo e sobre ser altura de férias, o responsável atirou: “Férias, para alguns.”

José Sócrates foi detido em novembro de 2014 e o processo arrasta-se desde aí. Sobre a acusação de falta de indícios que incriminem o ex-primeiro-ministro, Amadeu Guerra é perentório: “Isso é falso. Há varias decisões de vários juízes de coletivos do Tribunal da Relação que confirmam a existência de indícios”, sublinhou. E acrescentou que a pressa é de todos: “Ninguém mais do que nós pretende dar o despacho final neste processo. Eu, em concreto.”

Entretanto, José Sócrates já avançou que vai reagir esta quinta-feira, às 10h30, às declarações do diretor do DCIAP.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR