Estar ou não estar presente numa Vodafone Music Sessions é desde logo uma questão de sorte. Mas como diz o senso comum, a sorte tenta-se, procura-se, desafia-se, e neste caso, uma garantia é certa: quem não estiver no Festival Vodafone Paredes de Coura, não terá a música da sorte do seu lado.

De facto, as Vodafone Music Sessions são um dos momentos mais esperados do festival. Além da evidência dos grandes nomes que anualmente sobem aos palcos principal e secundário, como os cabeça de cartaz deste ano, LCD SoundSystem, há experiências sensoriais diferenciadas, exclusivas e únicas. Em suma, para quem tiver a sorte de estar no momento certo e no lugar certo para poder viver uma série de concertos-surpresa em locais-surpresa, o Vodafone Paredes de Coura 2016 promete ser mesmo inesquecível.

Os primeiros encontros secretos

A iniciativa desenhou-se em Paredes de Coura, em 2013, quando a Vodafone quis dar a este evento uma personalidade única. Assim foi concebida uma presença perfeitamente alinhada com o espírito do festival e contribuindo para que a experiência fosse ainda mais especial. A iniciativa traduz-se em showcases em vários locais secretos da vila minhota, criados para elevar a experiência do público, como forma de diversificar a oferta do festival, e alimentar conteúdos com artistas que dinamizam as redes parceiras e os canais web da marca.

Capicua_Ponte Romanica_2014

O fator mais sugestivo desta iniciativa é que ninguém sabe ao certo quem vai tocar, nem onde irá tocar. Uma boa dose de improviso preside ainda a estes eventos, e dadas as suas características, não há uma calendarização fechada nem um roteiro exato.

As Vodafone Music Sessions não são previamente divulgadas e a participação é feita de forma espontânea. Um autocarro aguarda perto do recinto do festival, cerca de 30 minutos antes do showcase acontecer, enquanto promotores Vodafone convidam aleatoriamente um grupo de pessoas que estão no campismo para irem assistir a um concerto num local secreto. A lotação é limitada a cerca de 50 pessoas

Nesse Verão de 2013, que recebeu a 21ª edição do mítico festival minhoto, a ideia de realizar concertos surpresa, em lugares secretos e para um público sorteado, pareceu arrojada e inicialmente chegou a levantar dúvidas junto do promotor do festival, pois, as perguntas eram muitas: Como se convenceriam as bandas? Como se montariam os palcos improvisados em locais escondidos da vila de Paredes de Coura? Com as equipas técnicas alocadas no recinto do festival, quem daria o devido apoio logístico? Tantas perguntas legítimas viram as respostas dadas na prática. O resultado esteve à vista de apenas alguns privilegiados, uma questão de sorte.

Foram cinco, as primeiríssimas sessões. Uma em cada dia do festival. Cinco bandas integradas no cartaz tocaram em cinco palcos escondidos em lugares emblemáticos da vila de Paredes de Coura. O público? Um restrito grupo de 50 pessoas, recolhidas aleatoriamente por um autocarro da Courense (a rodoviária local).

The Growlers_Penedo das Vistas_2014

Os 50 «raptados» não sabiam para onde estavam a ser levados, nem o que iam ouvir. Sabiam apenas que o autocarro pararia algures, para um concerto intimista e exclusivo, só para eles. Nesse ano inaugural, os músicos e os lugares foram: Tape Junk, na Senhora da Pena; Bombino, no Espigueiro; The Glockenwise, na Capela de São Sebastião; os Citizens!, na Igreja Ecce Homo; e os Ducktails, no Monte São Silvestre.

Uma questão de sorte

Os participantes trouxeram ainda como recordação uma pulseira exclusiva das VMS e uma experiência única vivida. Assim aconteceu em 2013 e até agora nunca mais parou. As Vodafone Music Sessions já vão para a quarta edição e, devido à melhoria da logística e dos pormenores de produção, a iniciativa foi reconhecida pelo segundo ano consecutivo com a atribuição dos prémios de Melhor Ativação de Marca em festival, tanto pelos Portugal Music Awards, como pelo Iberian Festival Awards.

Se estes prémios não foram fruto da sorte, o sucesso destas sessões tem sempre a sua dose de acaso, não fossem os artistas isto mesmo… artistas, que é como quem diz, potenciadores de improviso. Por isso, há sempre algum frisson com as VMS, uma mistura de ansiedade e excitação pelo caráter único do evento. E esta sensação é transversal a todos os envolvidos: elementos da organização do festival, desde os responsáveis pelos pontos de interesse turístico à restante logística de som ou transportes; público, cinco dezenas de pessoas que são levadas sem saberem absolutamente nada do que as espera; e músicos, cuja presença é muitas vezes confirmada em cima da hora. Mas a sorte e o improviso andam de mãos-dadas, e o fator surpresa embutido na ação confere-lhe, além de magia, a «boa onda» de todos os envolvidos.

Seasick Steve_Serracao Formariz_2014

Uma surpresa para uma partilha intimista, assim se resumem as Vodafone Music Sessions que, como as restantes iniciativas da marca no Vodafone Paredes de Coura, acrescentam valor à experiência dos festivaleiros, tornando-a absolutamente singular e inesquecível. Recorde-se que a 24ª edição do mítico Festival Paredes de Coura tem este ano um cartaz com We Trust, Unknown Mortal Orchestra, LCD Soundsystem, The Vaccines, The Tallest Man on Earth ou Capitão Fausto, entre muitas outras bandas. Talvez um ou vários destes nomes estejam destinados a tocar para si e mais 49 pessoas… É tudo uma sessão de sorte.