Durante o último ano, houve um boom no consumo de máscaras de pele e, feitas as contas, o Observador escreveu uma mão cheia de artigos sobre este produto de beleza, antigamente ignorado pelas mulheres. Se aliarmos esta tendência ao ritual de beleza das coreanas que chega a ter 17 produtos, percebemos por que razão, chegados à rentrée de 2016, o multimasking se tornou tão falado no Ocidente. Se primeiro fomos persuadidos do poder cosmético das máscaras, agora estamos realmente convencidos que aplicar várias camadas tem efeitos extra-nutritivos na pele.

Embora, antigamente, este fosse um tratamento de beleza exclusivo dos spas e das clínicas próprias, a #multimasking tornou-se tendência nas redes sociais e cada vez mais marcas começam a apostar em máscaras específicas para cada zona do rosto. Em Portugal, L’Oréal Paris, Peter Thomas Roth (à venda nas lojas Sephora), Vichy, Caudalie, GlamGlow (à venda nas lojas Perfumes & Companhia) e The Body Shop são algumas das marcas que já lançaram linhas próprias de multimasking para tornar este processo mais fácil e intuitivo a todas as mulheres.

Multimasking: o que é?

O The New York Times chamou-lhe de “Mask Bingeing” (bingeing significa fazer qualquer coisa de forma exagerada de uma só vez, como comer, beber ou dormir) referindo-se ao ato de uma pessoa colocar vários tipos de máscaras de uma só vez para tratar quaisquer que sejam os problemas de pele que tenha. Mas, na prática, o multimasking engloba vários tipos de máscaras, aplicadas ao mesmo tempo nas zonas certas, exatamente para se conseguir um tratamento de pele personalizado – que, ao fim e ao cabo, é o que obtemos quando vamos a um spa ou a uma clínica especializada.

INSTA-CONTENT---MULTIMASKING---1080x566-04

Imagem cedida por L’Oréal Paris

Como usar?

A forma certa de usar é escolher os ingredientes que cada zona do rosto precisa. Se tem várias máscaras e quer dar-lhes uso (ao invés de optar pelas marcas que já apostaram nesta tendência e de que falamos mais abaixo), combine os tratamentos corretos com base na necessidade de cada área. Assim, siga estes passos:

  1. Comece pela hidratação porque vamos entrar no inverno e o frio faz estragos na pele. Aplique uma máscara hidratante nas bochechas e nas laterais do rosto e desça até ao pescoço. Estas máscaras devem conter ingredientes como vitamina C, péptidos e propriedades anti-envelhecimento porque vão atuar contra a perda de elasticidade e formação de rugas.
  2. Trate da zona-T: testa, nariz e queixo. E aqui o objetivo é purificar porque é onde se acumula a oleosidade. Aposte em máscaras purificantes ou com ingredientes como argila ou ácido salicílico que ajudam a dissolver os poros e a impedir o aparecimento de acne.
  3. Por último, foque-se na zona do contorno dos olhos. Aqui o foco também é hidratar mas com máscaras próprias para olhos. As melhores são em formato “patches”, uma espécie de adesivo que se fixa nesta área. Se optar por máscara em creme, aplique-a com o dedo anelar para os movimentos serem mais suaves.

Estes três passos correspondem às necessidades gerais. Mas as possibilidades são infinitas porque a finalidade do multimasking é mesmo procurar aquilo que a sua pele mais precisa em cada momento. Se acabou o verão com manchas na testa, nessa zona deve obrigatoriamente aplicar uma máscara anti-manchas. Mas se tem a pele baça porque o bronze do verão já desapareceu, pode optar por uma máscara de brilho nas bochechas.

As máscaras multimasking

A The Body Shop já trouxe para Portugal as suas cinco máscaras multimasking, todas elas com ingredientes naturais pensados para as diferentes necessidade da pele. Assim, a verde desintoxica, a rosa clara hidrata, a amarela nutre, a branca ilumina e a rosa escura revitaliza. Também L’Oréal Paris acabou de lançar uma linha de três máscaras de argilas puras onde a verde purifica e tem ação anti-brilho, a rosa exfolia e minimiza os poros e a preta ilumina e tem efeito detox.

Na fotogaleria, em cima, conheça algumas das linhas multimasking que já existem em Portugal.