Rio 2016

Paralímpicos2016. Jogos fecham com samba e Tóquio a prometer “mudança e atitude”

Os Jogos Paralímpicos terminaram este domingo, num espetáculo que mostrou o som e as cores do Brasil e fechou em festa. Tóquio, cidade que acolhe os próximos jogos, promete "mudança e atitude".

O atleta Luís Gonçalves, que conquistou uma das quatro medalhas de bronze portuguesas, foi o porta-estandarte luso no desfile

THOMAS LOVELOCK / OIS / IOC / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Rio de Janeiro passou domingo a Tóquio o testemunho para a realização dos próximos Jogos Paralímpicos, num espetáculo que mostrou o som e as cores do Brasil e fechou em festa, ao som de Ivete Sangalo.

A atuação da estrela da música brasileira foi antecedida pela atuação de outros cantores e por uma antevisão do que pretendem os organizadores dos Jogos Tóquio2020.

Daqui a quatro anos, os japoneses querem, com o lema “Mudança e Atitude”, mostrar que a cada dia se abrem novas oportunidades às pessoas com deficiência.

No final da apresentação nipónica, foi cumprido o habitual protocolo, com o perfeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, a entregar a bandeira paralímpica ao presidente do Comité Paralímpico Internacional, Philip Craven, que em seguida a “confiou” à governadora de Tóquio, Yuriko Koike.

O espetáculo dividido em 10 quadros, mas desta vez com espaço do relvado ocupado por atletas, começou com muita música, em diferentes ritmos, mas com o mítico Estádio Maracanã bem mais vazio do que na abertura.

Com a ajuda dos telemóveis da grande maioria dos espetadores e atletas que assistiram à cerimónia, e com estrelas artificiais, o Maracanã ouviu o hino brasileiro, seguindo-se o desfile das bandeiras dos países participantes.

O atleta Luís Gonçalves, que conquistou uma das quatro medalhas de bronze conseguidas por Portugal, foi o porta-estandarte luso no desfile, ao qual se seguiu um enorme fogo-de-artifício.

A canção ‘One Love’, de Bob Marley, serviu para a organização a agradecer a todos os voluntários que trabalharam na organização dos Jogos, que reuniram mais de 4.350 atletas de 164 países.

Durante a cerimónia, foi cumprido um minuto silêncio em memória do ciclista paralímpico iraniano Bahman Golbarnezhad, que morreu no sábado na sequência de uma queda numa prova de estrada dos Jogos Rio2016.

O espetáculo de Ivete Sangalo começou com a música Paz e com a chama, que esteve acesa desde 07 de setembro, a ser apagada pelo vento de inúmeros e grandes moinhos que foram entrando no recinto.

A festa fechou com o Maracanã a “balançar”, e com o espaço do relvado transformado num sambódromo, bem mais vazio do que o esperado devido à chuva, que fez com que muitos atletas saíssem mais cedo da festa.

Daqui a quatro anos, muitos destes atletas, que se superam a cada prova, vão voltar a juntar-se em Tóquio, a cidade que em 1964 recebeu, além dos Jogos Olímpicos, aquela que é considerada a primeira edição dos Jogos Paralímpicos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PGR

Estão a gastar a nossa herança!

Gonçalo Pistacchini Moita
330

Muitos de nós julgam saber o que levou António Costa a propor a substituição da Procuradora Geral da República. Poucos saberão, de facto, o que levou Marcelo Rebelo de Sousa a aceitá-la. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)