Rádio Observador

Durão Barroso

Durão Barroso diz que está ser discriminado por ser português

1.206

Barroso afirmou que sabia que o Goldman Sachs era um "nome controverso" e que causava desconfiança. Barroso afirmou que não aceitava que restringisse os seus direitos como cidadão.

Barroso aceitou o cargo porque "o banco deu garantias de que queria reforçar a sua transparência e responsabilidade"

JOSÉ COELHO/LUSA

Durão Barroso, ex-presidente da Comissão Europeia e atual presidente não-executivo do Goldman Sachs International, disse que qualquer medida que seja aplicada contra ele pela Comissão Europeia será discriminação. Barroso acrescentou ainda que, na sua opinião, a discriminação está ligada à sua nacionalidade.

“Houve outros membros da Comissão, incluindo um presidente da Comissão que foi trabalhar para o Goldman Sachs e nunca foram tomadas medidas contra eles. Porque foram tomadas contra mim? A minha opinião é porque eu sou português, porque se fosse contra um membro italiano imediatamente a Itália caía toda em cima de quem tivesse anunciado essa posição. Por isso acho que o primeiro-ministro agiu com muita dignidade, defendendo aquilo que é uma posição portuguesa”, afirmou Durão Barroso aos jornalistas, à margem do Congresso Europeu Anual da Insol, em Cascais. O ex-presidente da Comissão Europeia acrescentou ainda não ver motivos para ser restringido nos seus direitos. “Não aceito que restrinjam os meus direitos como cidadão que sou português e europeu.” Barroso relembrou ainda que não foi “para nenhum cartel da droga” e que está a trabalhar “numa entidade legal”.

Barroso mostrou-se desapontado com o tratamento que François Hollande deu à situação, apoiando a decisão de Juncker de mudar a forma de tratamento de que Barroso seria alvo, e lembrou que, no passado, o presidente francês lhe atribuiu uma das mais altas condecorações “que a França pode dar”.

O ex-presidente da Comissão discursava esta sexta-feira no Congresso Europeu Anual da Insol, em Cascais, Portugal, quando confessou que sabia que o Goldman Sachs era um “nome controverso” e que causa alguma desconfiança. No entanto, o seu novo cargo não é motivo para “discriminação”: “Não posso ser responsabilizado por coisas que o banco possa ter feito no passado”, acrescentando ainda “que não fez nada irregular no banco”. Barroso referia-se às declarações de Jean-Claude Juncker, que afirmou que Barroso passaria a ser recebido em Bruxelas “não como antigo presidente, mas como representante de um interesse e será sujeito às mesmas regras” que os restantes lobistas.

“É perfeitamente aceitável de um ponto de vista ético e moral trabalhar para o Goldman Sachs, tal como é ético e moral trabalhar para outros bancos, desde que a pessoa que o faça respeite os princípios éticos, que é o que eu estou disposto a fazer”, declarou Barroso.

Barroso explicou ainda que aceitou o cargo no banco de investimento porque este “deu garantias de que queria reforçar a sua transparência e responsabilidade”.

Sobre o Brexit, o ex-presidente da Comissão Europeia considera que é impossível saber o que se vai passar com a saída do Reino Unido. O ex-presidente da Comissão Europeia disse ainda que os países da UE se devem unir caso queiram manter uma moeda comum.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)