Se hoje basta pesquisar na internet por qualquer receita para a encontrar de imediato e em diversas versões — umas mais conseguidas outras menos –, tempos houve em que quem queria aventurar-se a fazer pratos que não dominava era obrigado a recorrer a livros e revistas ou assistir a programas de culinária.

Ora em 1976, ano de nascimento da TeleCulinária, não havia assim tantos livros nem revistas dedicados ao tema, os programas de culinária nem sempre eram transmitidos a horas decentes para cozinhar e os gravadores de vídeo só se massificariam durante a década seguinte. A primeira revista portuguesa do género, chamada “Banquete”, e dirigida por Maria Emília Cancella de Abreu, aparecera em 1960, sem, no entanto, conseguir capitalizar uma característica importante da comida: a fotogenia.

Fora essa mesma fotogenia que levara os caderninhos de receitas de Francine Dupré — pseudónimo de Maria de Lourdes Modesto — distribuídos pela Fima/Lever com os pacotes de margarina Vaqueiro a chegar aos 100 mil exemplares de tiragem. “As mulheres arranhavam-se todas para arranjar os cadernos”, recorda ao Observador a autora de “Cozinha Tradicional Portuguesa”, que sabe a história que deu origem à TeleCulinária como poucos. “Conheço-a ainda na barriga da mãe”, brinca.

TCNº1_PDF-LEVE-CAPA

Uma reprodução contemporânea do primeiro número da TeleCulinária. Uma capa que, na sua versão original, tem uma história curiosa. (foto: D.R)

Como tudo aconteceu

Nos tempos áureos da Fima/Lever, a empresa tinha a sua própria agência de publicidade interna, a Lintas (Lever International Advertising Services), responsável pelas campanhas de todas as marcas do grupo. Uma delas era a Vaqueiro, onde Maria de Lourdes Modesto fazia o contacto com o consumidor, além de ser a responsável pelos apetecíveis cadernos de receitas assinados com o nom de plume da empresa, Francine Dupré.

“Quem tinha a conta da Vaqueiro na Lintas era o Telmo Protásio, que saiu para montar uma editora, a Meribérica, onde decidiu que ia fazer uns cadernos iguais aos da Francine Dupré chamados TeleCulinária”, lembra Maria de Lourdes Modesto

Com esse plano em mente, Telmo Protásio terá tentado várias vezes que fosse Maria de Lourdes Modesto a dirigir e assinar as receitas dessa futura TeleCulinária, que, ao contrário dos cadernos da Vaqueiro, seria vendida em banca. Em vão. “Eu estava muito bem na Fima/Lever e não me interessava fazer aquilo.”

O Chefe Silva

Não foi Maria de Lourdes Modesto, seria António da Silva — mais conhecido por Chefe Silva –, na altura já com 42 anos e uma carreira feita em restaurantes de hotel, como o Império ou o Avenida Palace, a assumir o cargo de diretor técnico da revista. Mas com intervenção decisiva da gastrónoma, como reconheceria mais tarde o próprio, falecido há pouco menos de um ano.

Sem a Maria de Lourdes Modesto não haveria TeleCulinária e talvez nem mesmo o Chefe Silva com a popularidade que alcançou”, lê-se na biografia “Chefe Silva – O Sr. Tele Culinária”, de Amílcar Malhó.

“O Chefe Silva tinha colaborado com a Fima/Lever anteriormente, quando deu umas aulas de cozinha para senhoras no Instituto Vaqueiro”, explica Maria de Lourdes Modesto, que o conheceu precisamente nessa altura. Depois, o chef(e) rumou ao Porto para abrir o Hotel Dom Henrique, e fez, pelo meio, uns quantos programas de televisão. Foi na sequência destes que viria a contactar, novamente, Maria de Lourdes. “Propôs-me que o ajudasse a fazer um livro com base nesses programas. E tanto me chateou que eu um dia apresentei-o ao Telmo Protásio. Como costumo dizer: juntou-se a fome à vontade de comer.”

teleculinaria1980

Os números alusivos ao Natal e à Páscoa vendiam sempre bem. A revista chegou a fazer tiragens de mais de 250 mil exemplares. (foto: D.R)

O primeiro número da TeleCulinária saiu para as bancas a 4 de outubro de 1976. A revista trazia uma receita principal, que fora previamente filmada e apresentada na televisão, e outras quantas mais pequenas, com algumas dicas de cozinha pelo meio, que tanto podiam ser sobre preparação de molhos como sobre a melhor forma de tirar partido de determinado utensílio. Todos os conteúdos eram ilustrados com muitas fotografias, o que atraía até mesmo quem não sabia ler nem escrever — nessa altura a taxa de analfabetismo era ainda bem significativa.

A TeleCulinária não demorou a ganhar fama e logo ao número 9 (era uma revista semanal, periodicidade que manteve até abril deste ano) anunciava um aumento de tiragem para 80 mil exemplares. Nos anos seguintes as vendas chegariam a patamares impressionantes. “Chegámos a fazer 260 mil revistas por semana. Havia senhoras que a compravam para oferecer às filhas e às mães”, lembrava o Chefe Silva em 2003.

Para Virgílio Gomes, que partilhou com o Chefe Silva, de quem foi aluno, “alguns momentos inesquecíveis”, a TeleCulinária “veio preencher um espaço de imprensa escrito reflexo dos programas televisivos.” Segundo o gastrónomo:

Depois de Maria de Lourdes Modesto, surge uma nova época de uma cozinha de um profissional mas com uma vertente simples das nossas cozinhas regionais. Mas o programa não se esgotou neste tema. Começam a surgir novas receitas, de muitas origens, mas com a particularidade de serem apresentadas de uma forma simples para execução doméstica. Ora esta forma descomplicada, que só um grande chefe consegue propor, é que veio a ser o grande trunfo da TeleCulinária e que lhe garantiu o seu sucesso.”

5 curiosidades sobre a TeleCulinária

1 – Segundo se conta em “Chefe Silva – O Sr. Tele Culinária”, a fotografia de capa do primeiro número da TeleCulinária não mostrava um bolo de São Tomé, como era suposto, mas antes a respetiva forma disfarçada com umas pinceladas de manteiga e farinha para esconder o metal. Foi uma solução de recurso encontrada pelo Chefe Silva porque o bolo partiu-se ao desenformar.

2 – Ainda no mesmo livro, de autoria do jornalista Amílcar Malhó, a produtora fotográfica Manuela Calvinho revela que certo dia recebeu um telefonema com uma pergunta curiosa: “A menina desculpe, mas quando é que a revista acaba?” Perante a sua estupefação, a voz do outro lado da linha lá esclareceu o motivo da pergunta: “Sabe, é que tenho aqui o carpinteiro a fazer estantes para as revistas, que tenho desde o primeiro número. E assim já poderia dizer-lhe quantas prateleiras mais é que ele tinha de fazer.

3 – Muitas das sessões fotográficas eram feitas na própria casa do Chefe Silva. Depois das sessões reunia-se com a família e vários amigos para que pudessem provar em grupo o que fora fotografado. Diziam, na brincadeira, que iam “comer a revista”.

4 – As primeiras receitas que o Chefe Silva usou na TeleCulinária vieram de um livro compilado pela mulher, segundo revelou o próprio ao jornal Correio da Manhã em 2007.

5 – Muitas das receitas eram enviadas por leitores. Uma leitora madeirense, Gabriela Franquinho, terá enviado cerca de 5000 receitas, compiladas ao longo de várias gerações pela sua família. Mas também havia quem as enviasse propositadamente erradas. Mas o Chefe Silva pedia sempre à sua mulher para testar as receitas selecionadas, fazendo, depois, os ajustes necessários.