O designer de moda João Barriga venceu esta sexta-feira o prémio de melhor coleção do projeto Sangue Novo, a marca Duarte recebeu uma menção honrosa e João Oliveira foi escolhido para representar Portugal no festival holandês Fashion Clash.

Os três concorrentes participaram na edição deste ano do projeto Sangue Novo, da ModaLisboa, destinado a jovens finalistas de cursos de Design de Moda ou que estejam a iniciar a sua marca. A apresentação das coleções destes três e de mais oito jovens deu hoje início, no Pátio da Galé, aos desfiles da 47.ª edição da ModaLisboa, que decorre até domingo.

João Barriga, de 22 anos, concorreu com uma coleção para homem e mulher, com roupa “toda preta e oversized [de tamanho grande]”, criada como trabalho final do curso de Design que frequentou na Modatex — Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil, Vestuário, Confeção e Lanifícios.

“O preto funciona como um escudo em relação às outras pessoas e a silhueta oversized esconde o corpo e como somos. O meu objetivo era criar roupa que escondesse a identidade de cada pessoa e dessa maneira criar uma nova identidade”, contou à agência Lusa no final do desfile.

O prémio da melhor coleção inclui um workshop de oito semanas em Milão, Itália, oferecido pela Domus Academy, e uma bolsa de estudo de 5.000 euros atribuída pelo patrocinador oficial da ModaLisboa.

Com este prémio João Barriga acredita que terá “mais bases para fazer coleções melhores ainda”, disse, acrescentando que vencer foi “uma surpresa, ainda mais com coleções tão boas como as que foram apresentadas”.

Depois de anunciar o nome do vencedor, a diretora da ModaLisboa, Eduarda Aboondanza, referiu que este ano, “excecionalmente”, seria atribuída também uma menção honrosa, que daria “entrada direta na plataforma LAB (dedicada aos novos talentos), na próxima edição da ModaLisboa”.

Essa menção honrosa foi atribuída à coleção da Duarte, de Ana Duarte, de 25 anos, que se licenciou na Faculdade de Arquitetura de Lisboa, tendo depois tirado um mestrado em menswear [roupa masculina] na London College of Fashion.

“Candidatei-me ao Sangue Novo na última edição e agora tentei de novo e resultou”, contou à Lusa. Com esta entrada direta no LAB, Ana Duarte espera conseguir “publicidade e continuidade da marca” Duarte, que é “inspirada no conceito sporstwear luxury [luxo desportivo].

“Esta coleção demonstra como o dia-a-dia, a luta pelos objetivos, consegue ser feita de uma forma com qualidade, descontraída, pronta para conseguir vencer todos os objetivos”, contou.

Além deste prémio e da menção honrosa, um dos participantes foi selecionado para representar Portugal na próxima edição do festival holandês FashionClash, em Masstricht, em junho de 2017. O escolhido foi João Oliveira e o anúncio foi feito pelo diretor do festival, Branko Popovic.

“Ninguém prevê o futuro, mas espero representar Portugal da melhor maneira. Estou muito feliz e vou dar o meu melhor. Não estava nada à espera, mas estou muito contente de ter conseguido”, disse à Lusa o designer de moda, de 23 anos.

A coleção que apresentou no Sangue Novo é a mesma que criou para a tese de mestrado que está a terminar no Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Nesta edição do Sangue Novo, além de João Barriga, João Oliveira e Duarte, participaram Carolina Machado, Cátia Moreira, Daniela Ciolan, Inês Silva, a dupla M Hka, Micaela Sapinho, Sofiya Malichenko e Hermione Flynn, esta última uma jovem alemã convidada a participar no projeto no âmbito da parceria entre a ModaLisboa e o FashionClash.

Esta sexta-feira serão ainda apresentadas as propostas de Catarina Oliveira e de Morecco (ambos inseridos na plataforma LAB), no n.º 31 da Praça do Muncípio, e de Ricardo Preto (roupas para homem), no Pátio da Galé.