Francisco Leitão, conhecido por ‘Rei Ghob’, que foi condenado em 2012 por triplo homicídio, está acusado de 542 crimes de violação de 12 menores que aliciava para sua casa, segundo a acusação do Ministério Público a que a Lusa teve acesso.

De acordo com a acusação deduzida a 20 de maio, mas que só agora o Ministério Público (MP) da Lourinhã autorizou consulta, o arguido, de 48 anos, está acusado de 542 crimes de violação, seis de pornografia de menores e ainda um crime de ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada e devassa da vida privada.

Os crimes remontam a factos ocorridos entre 2009 e 19 de julho de 2010, data em que foi detido pela Polícia Judiciária por ser o principal suspeito do homicídio de três jovens, tendo vindo em 2012 a ser condenado a 25 anos de prisão.

O sucateiro convivia com vários jovens, na altura com idades entre os 14 e os 17 anos. Levava-os a passear, pagava jantares ou bebidas e oferecia-lhes telemóveis.

Dizia ter poderes sobrenaturais que comprovava com a “encenação de sessões espíritas e incorporações de entidades com recurso a adereços de magia, luzes e gravadores”, o que causaria medo nos jovens.

“As vítimas eram levadas a ter uma perceção adulterada da realidade, na qual acreditavam e à qual se sujeitavam, permitindo que o arguido as manipulasse”, refere a acusação.

‘Rei Ghob’ levava as vítimas a acreditar que existiam “cópias” negativas dos humanos, que pretendiam a sua destruição. Para as salvar e eliminar, teriam de “atingir determinados níveis de energia no corpo”.

Quando ganhava a sua confiança e sabia que estariam convictos dos seus poderes, levava os jovens para a sua casa, na Carqueja, Lourinhã, onde os amedrontava incorporando “entidades” sobrenaturais, ou dizendo que vinha a mando delas informá-los de que eles ou os seus familiares corriam perigo de morte.

Para evitar as consequências, teriam de se sujeitar a “injeções de energia”, que, como descreve a acusação, seriam transmitidas do corpo do arguido para o corpo da vítima sob a forma de relações sexuais.

Por medo, os jovens acediam, sendo obrigados a cumprir um “calendário de práticas sexuais”. Diversas vezes incitava também práticas sexuais entre os jovens, observadas por si.

A outros jovens, Francisco Leitão dava bebidas com “medicamentos ou substâncias análogas”, levando-os a estados e períodos de inconsciência para concretizar as suas intenções.

Em várias ocasiões, utilizava câmaras de vídeo instaladas na sua residência para filmar as práticas, sem o consentimento das vítimas.

Outras três pessoas chegaram a ser suspeitas de divulgar os vídeos produzidos pelo arguido, mas o MP veio a arquivar os factos por falta de provas.

As queixas chegaram ao MP ainda em 2009, mas o inquérito veio a ser arquivado.

Contudo, o processo foi reaberto na sequência de buscas domiciliárias da Polícia Judiciária e de novas denúncias no período em que o arguido esteve a ser investigado, julgado e foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver de três jovens.

Francisco Leitão foi detido preventivamente em julho de 2010, veio em março de 2012 a ser condenado a 25 anos de prisão pelo Tribunal de Torres Vedras e cumpre pena no Estabelecimento Prisional de Vale de Judeus.

O arguido já foi também condenado por crimes relativos a detenção de arma proibida, falsificação ou contrafação de documento, simulação de crime e recetação.

O processo vai ser entretanto remetido para julgamento no tribunal da Comarca Lisboa Norte, em Loures.