O secretário de Estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, disse esta quarta-feira, em Fátima, que “está tudo por pensar e por organizar” relativamente à visita do Papa Francisco a Portugal, em 2017, acrescentando que o líder da Igreja Católica quer vir sobretudo como peregrino de Fátima. O chefe da diplomacia da Santa Sé recusou, por isso, avançar mais detalhes sobre a deslocação de Francisco a Portugal.

“Há um grande desejo de que o Papa venha”, explicou o cardeal, admitindo que foi questionado sobre o assunto nos vários encontros que teve até agora em Portugal. “A razão pela qual o Papa vem a Portugal é o centenário das aparições, foi para isso que foi convidado”, sublinhou. Uma visita papal necessita de “preparação adequada”, destacou Parolin, acrescentando que as respostas detalhadas deverão estar para breve.

A única certeza deixada por Pietro Parolin foi a de que “sabemos que o Papa virá aqui”. O cardeal garantiu ainda que irá falar a Francisco sobre a experiência que teve em Fátima.

Durante a conferência de imprensa, o secretário de Estado do Vaticano ainda se referiu à nomeação de António Guterres para o cargo de Secretário-Geral das Nações Unidas. “É uma pessoa com um grande trajeto, com um grande percurso, trabalhou muito até aqui, sobretudo ultimamente como Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, uma problemática que hoje é de extrema atualidade e extrema gravidade”, referiu, acrescentando que o Vaticano está “contente” com a nomeação.

O cardeal Pietro Parolin está em Fátima para presidir à peregrinação internacional de outubro, a última grande peregrinação do ano, e a última antes da visita do Papa Francisco em maio de 2017, que assinala o centenário das aparições de Fátima.