802kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Pé no acelerador e calculadora na mão. As contas de Hamilton e Rosberg para ganhar o título de Fórmula 1

Este artigo tem mais de 5 anos

A etapa do Brasil fez cinco campeões mundiais em 10 anos e Rosberg espera garantir o seu nome nesta lista, este fim de semana. Hamilton precisa de uma combinação de resultados para adiar a decisão.

Lewis Hamilton e Nico Rosberg vão ao Brasil separados por 19 pontos na classificação do campeonato
i

Lewis Hamilton e Nico Rosberg vão ao Brasil separados por 19 pontos na classificação do campeonato

Getty Images

Lewis Hamilton e Nico Rosberg vão ao Brasil separados por 19 pontos na classificação do campeonato

Getty Images

Há algo no circuito de Interlagos, no Brasil, que faz a corrida ser decisiva para o campeonato de pilotos de Fórmula 1. Nos últimos dez anos, cinco pilotos conseguiram ganhar o título mundial nesta pista.

A prova, que é a penúltima da temporada deste ano, pode decidir o futuro para Lewis Hamilton e Nico Rosberg. Diferente dos últimos dois anos nos quais disputaram o campeonato mundial, Rosberg chega a São Paulo a ponto de confirmar o seu primeiro título e depende apenas do seu próprio desempenho para alcançar este resultado. Já Hamilton precisa de vencer a corrida e esperar uma combinação de resultados para sonhar com o tetracampeonato.

O Observador fez as contas para entender o que cada um dos pilotos da equipa Mercedes necessita para conseguir o título de pilotos.

Sistema de pontuação na Fórmula 1
1º posição 25 pontos
2º posição 18 pontos
3º posição 15 pontos
4º posição 12 pontos
5º posição 10 pontos
6º posição 8 pontos
7º posição 6 pontos
8º posição 4 pontos
9º posição 2 pontos
10º posição 1 ponto

Nico Rosberg lidera o campeonato com 349 pontos, 19 a mais que Lewis Hamilton. Para garantir o campeonato este domingo, necessita apenas vencer, independentemente da posição em que o seu companheiro de equipa termine a corrida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Isto acontece porque, na Fórmula 1, a vitória dá ao piloto 25 pontos e o segundo lugar recebe 18 pontos. Caso ganhe, Rosberg chegaria à última corrida, em Abu Dhabi, com 374 pontos. Se Hamilton terminar a corrida em segundo, fica com 348 pontos. Iriam à última etapa com uma diferença de 26 pontos, impossível de ser superada, mesmo com a vitória do britânico e com o alemão a não pontuar.

Se Rosberg não vencer, há outras combinações que poderiam garantir-lhe o título. Se o alemão terminar em segundo, torna-se campeão mundial caso Hamilton fique em quarto ou quinto lugar. Com o terceiro lugar, Rosberg seria campeão com a sexta ou sétima posição do piloto inglês.

O quarto lugar para Rosberg serviria para conquistar o campeonato mundial se Hamilton cruzar a meta em oitavo. Já o quinto lugar vale se o tricampeão mundial chegar em nono. Por fim, o sexto lugar no Brasil resultaria no título do alemão se Hamilton terminasse em décimo ou se não pontuasse.

A tabela abaixo resume como Rosberg pode conseguir ganhar o título de pilotos de Fórmula 1, em Interlagos:

Já a tarefa de Hamilton é complicada – mas não impossível. Se vencer e Rosberg não pontuar, o britânico chega à última corrida em primeiro lugar na classificação geral com seis pontos de vantagem. Se terminar em segundo, a vantagem sobre Rosberg será de um ponto, caso o alemão não termine entre os dez primeiros.

A partir do terceiro lugar no resultado final da corrida do Brasil, Hamilton levaria a disputa para Abu Dhabi, estando ainda atrás de Rosberg no campeonato. Neste caso basta-lhe chegar à frente do seu companheiro de equipa.

Há, ainda, outra hipótese para o piloto britânico impedir que o campeonato termine em Interlagos: se ele e Rosberg abandonarem a corrida ou não pontuarem. Neste caso, os dois pilotos chegariam à última etapa da temporada com os mesmo 19 pontos de diferença que têm atualmente.

A vitória é a melhor opção de Hamilton. Apesar de ter vencido as últimas duas corridas deste ano, nunca chegou em primeiro no Grande Prémio do Brasil, em nove participações. Subiu ao pódio três vezes: em 2009, com o terceiro lugar; e em 2014 e 2015, com o segundo posto. Contudo, foi no mesmo circuito de Interlagos que conquistou o seu primeiro título mundial, em 2008, quando acabou a prova em quinto.

Muita pressão? Hamilton afirmou, esta quinta-feira, numa conferência de imprensa, que pretende lutar até ao fim. “Desde que comecei na Fórmula 1, vejo que tudo pode mudar no último momento, então tens que lutar até ao fim. Nunca venci no Brasil e estou disposto a mudar isso este fim de semana”, garantiu.

O piloto reconhece, no entanto, que a luta pelo título vai ser difícil. “É um cenário incomum: lutar por algo sem saber com certeza se o que conquistarmos será o suficiente para ter sucesso. Um resultado [para um dos pilotos] será doloroso, o outro [resultado] poderá significar uma grande conquista”, relatou.

Já Rosberg venceu as duas últimas corridas disputadas no Brasil. Disse aos media brasileiros que não pensa em “cálculos matemáticos” e que “vai fazer de tudo para ganhar pela terceira vez no país. “Estou muito animando com esta luta na reta final do campeonato. Participei desta disputa nos últimos dois anos. Não fico a pensar em cálculos matemáticos e tudo pode acontecer. Tenho uma abordagem mental para me beneficiar: fico concentrado em todos os momentos e vou fazer de tudo para ganhar”, afirmou.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa