O Ministério das Finanças afirmou, em comunicado divulgado esta quinta-feira, que “espera que o aprofundamento das negociações que agora se inicia permita concluir com celeridade” o processo de venda do Novo Banco, depois de o Banco de Portugal ter dito que iria iniciar “negociações aprofundadas” com o fundo Lone Star. Uma coisa é certa: “o Governo sempre destacou que este processo de venda a investidores privados deve assegurar que não existirá impacto nas contas públicas ou encargos para os contribuintes”.

Os dois pontos essenciais destacados pelo Ministério das Finanças são, em primeiro lugar, que “existirem neste momento várias propostas para a aquisição do Novo Banco” (a porta não ficou fechada para Apollo e Minsheng) e, depois, os “potenciais investidores manifestaram desde já disponibilidade para aprofundar as negociações no sentido dessas condicionantes serem ultrapassadas”.

Essas “condicionantes” são a exigência, por parte dos fundos, de garantias públicas ao valor dos ativos do Novo Banco.