Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os cientistas no Grande Colisor de Hadrões podem ter descoberto uma nova partícula com um comportamento diferente ao observado na sua antipartícula. É a primeira vez que este fenómeno é observado. Se estes dados se confirmarem, eles podem explicar porque é que a matéria criada no nascimento do Universo não foi aniquilada pela antimatéria criada ao mesmo tempo.

Segundo a Teoria do Big Bang, o Universo nasceu a partir da expansão de um ponto muito quente e denso há quase 14 mil milhões de anos, assim a quantidade de matéria criada nesse momento devia ser igual à quantidade de antimatéria. Mas, como a matéria e a antimatéria em contacto aniquilam-se, então algo deve ter permitido que uma parte da matéria sobrevivesse e desse origem ao que somos agora. Os cientistas nunca perceberam o que interferiu no aniquilamento entre a matéria e a antimatéria. Mas a resposta pode estar na violação de uma lei da física chamada “simetria CP”.

A simetria CP é uma noção que declara que o comportamento de uma partícula de matéria é igual ao comportamento da antipartícula de antimatéria equivalente: se todo o mundo material fosse substituído pelas antipartículas correspondentes a cada coisa, o Universo permanecia precisamente o mesmo.

Há, no entanto, exceções: certas partículas violam a simetria CP e as suas antipartículas não mimetizam o seu comportamento. É o caso de uma família de partículas subatómicas chamadas mesões, compostos por um quark e um antiquark, como os píons e os káons. Estas partículas foram estudadas em 1980 e em 2008 por dois cientistas que ganharam mesmo o Nobel da Física por terem descoberto que essa discrepância explica em parte a sobrevivência de mais matéria do que antimatéria. Mas não era suficiente para dar todas as respostas.

Em busca delas, os cientistas do LHC entre 2011 e 2012 decidiram estudar bariões — que são uma família de partículas subatómicas compostas por três quarks de que fazem parte os neutrões e protões. E descobriram que há uma diferença entre o decaimento dos bariões e o decaimento dos antibariões, que tem três antiquarks. Como se comportam de modo diferente, significa que estamos perante uma violação da simetria CP, mais uma peça no mistério da antimatéria desaparecida e da matéria excedente. Mas são precisos mais testes para chegar a conclusões definitivas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR