476kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Morreu o grande ulmeiro que 'dava' as boas-vindas aos visitantes da Gulbenkian

Este artigo tem mais de 5 anos

A Gulbenkian informou esta quarta-feira que a grande árvore ulmeiro que se encontrava junto à porta da Fundação morreu. A causa foi uma praga para a qual ainda não se conseguiu encontrar cura.

O ulmeiro encontrava-se junto à entrada principal da sede da Fundação Gulbenkian, em Lisboa
i

O ulmeiro encontrava-se junto à entrada principal da sede da Fundação Gulbenkian, em Lisboa

O ulmeiro encontrava-se junto à entrada principal da sede da Fundação Gulbenkian, em Lisboa

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Fundação Calouste Gulbenkian informou esta quarta-feira que a grande árvore ulmeiro que se encontrava junto à entrada da sede da Fundação morreu, tendo sido retirada. A causa foi uma praga para a qual ainda não se conseguiu encontrar cura.

No site oficial da Fundação Gulbenkian, é explicado ao pormenor o que ocorreu para que o ulmeiro tivesse de ser retirado. A causa recai numa praga que já na década de 80 tinha “dizimado a mata de ulmeiros que existia na zona poente do jardim, e para a qual ainda não existe nenhum tratamento eficaz.”

A praga tem o nome de “grafiose do ulmeiro” e consiste num “fungo (Ophiostoma novo-ulmi) que afeta grande parte dos ulmeiros, sobretudo as árvores adultas que vivem nas cidades. É difundido por algumas espécies de escaravelho como o Scolytus scolytus” pode ler-se no site.

Na mesma publicação a fundação explica ainda que ulmeiros existentes em Lisboa são já muito poucos. Os que ainda resistem encontram-se nos jardins da Gulbenkian “fruto do cuidado e dedicação que a equipa de jardinagem lhes dispensa, mas a idade e a poluição atmosférica não ajudam, acrescendo o facto de nesta zona do jardim disporem de muito pouca altura de solo”. É deixada ainda a garantia que brevemente será colocada outra árvore no local.

A Fundação além do seu site oficial, partilhou ainda a informação via Facebook:

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.