As reservas cambiais da China, as maiores do mundo, caíram em janeiro, para 2,99 biliões de dólares, atingindo o valor mais baixo em seis anos, segundo dados publicados pela Administração Estatal de Divisas. O abrandamento da economia chinesa e a queda do valor da moeda chinesa, o yuan, resultaram nos últimos meses numa fuga de capitais privados recorde.

As autoridades têm recorrido às reservas do país para aumentar o valor do yuan e travar assim a saída de capital. Janeiro foi o sétimo mês consecutivo em que os depósitos em moeda estrangeira do Banco do Povo Chinês (banco central) caíram. “Esta queda deverá desencadear um novo debate sobre por quanto tempo o banco central pode continuar a intervir para apoiar o valor do yuan”, afirmou num comunicado Julian Evans-Pritchard, da consultora Capital Economics.

Em 2016, as reservas cambiais da China perderam 180.000 milhões de dólares, cerca de 5,5% do seu montante no início do exercício. As autoridades chinesas consideraram que as reservas chinesas, apesar de estarem agora ligeiramente abaixo da linha dos três biliões de dólares, “continuam a ser as maiores do mundo”.