O Conselho Municipal da Cidade da Beira, a segunda maior de Moçambique, indicou esta terça-feira que duas crianças, incluindo uma de sete meses, morreram afogadas devido às cheias que inundam vários bairros da urbe, desde domingo.

Em conferência de imprensa de balanço das cheias, o presidente do município da Beira, Daviz Simango, disse que a criança de sete meses morreu afogada quando a água invadiu a casa dos pais, no bairro da Manga-Mungassa.

A segunda criança, com quatro anos, foi encontrada afogada também no quintal da residência dos pais, no bairro Vaz.

“Chamamos a atenção aos pais para terem cuidado com os menores, porque uma menor de sete meses tem de ser protegida para evitarmos acidentes do género”, afirmou Simango.

A chuva, continuou o edil da Beira, cai torrencialmente e os solos da cidade não são suficientemente permeáveis para evitar as inundações.

Além de inundar residências, as cheias na Beira também deixaram intransitáveis várias estradas, impedindo a circulação de pessoas e bens.

Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) referem que, entre domingo e segunda-feira, Beira registou uma precipitação acumulada de 223,9 milímetros, contra uma média mensal de 296,2 milímetros.