Rádio Observador

Startups

Pipedrive abre escritório em Lisboa e quer contratar 50 pessoas

376

Startup da Estónia que está presente em 140 países escolheu Lisboa para casa do terceiro escritório, onde vai recrutar cerca de 50 pessoas em 2017. Lisboa "tornou-se emocionalmente atraente."

A Pipedrive tem mais de 30 mil clientes em 140 países e emprega mais de 240 pessoas

“Depois de muita deliberação e investigação, a Pipedrive escolheu Lisboa para a localização do seu terceiro grande escritório.” Foi desta forma que Martin Kõiva, responsável pela parte comercial da Pipedrive na Europa comunicou a novidade da empresa que nasceu na Estónia, mas que está presente em 140 países, ao Observador. Depois de Tallin e dos EUA, a morada da Pipedrive é portuguesa.

Queremos abrir um escritório e contratar aproximadamente 50 pessoas em Lisboa no próximo ano e dar um passo semelhante em 2018″, continuou. “O objetivo é fazer com que a Pipedrive faça parte do ecossistema local, um empregador conhecido e fazer deste escritório uma parte estratégica da empresa.”

A Pipedrive nasceu em 2010, tem 30 mil clientes e emprega mais de 240 pessoas nos escritórios que tem em Tallin, na Estónia, e em Nova Iorque. Lisboa vai ser a terceira casa da empresa que desenvolve software de vendas na cloud (nuvem) e que já angariou cerca de 31 milhões de euros em investimento. Para Martin Kõiva, a escolha pela cidade à beira do Tejo passou de racional a emocional.

“Primeiro, a escolha [de Lisboa] foi muito racional, mas depois de visitarmos a cidade tornou-se emocionalmente atraente. Precisávamos de um espaço que tivesse talento tecnológico, onde as pessoas falassem inglês, que estivesse num bom fuso horário, na União Europeia, e que não fosse estupidamente caro. Ficámos indecisos entre Lisboa e Dublin (nem sequer é justo), mas depois viemos à Web Summit, confirmámos e avançámos”, explicou ao Observador.

A língua portuguesa já era um alicerce importante da empresa, por causa do mercado brasileiro, e desde 2014 que a Pipedrive tinha um serviço de apoio a clientes em português. “Estamos muito felizes com a nossa escolha e quanto mais aprendemos [sobre a cidade], mais temos a certeza de que foi uma boa decisão”, explicou Martin.

O responsável pela empresa da Estónia acrescenta que o ecossistema de startups de Lisboa é muito semelhante ao de Tallin, porque é “muito pequeno” e as pessoas apoiam-se muito umas às outras. “E isso faz sentido. Temos mais a ganhar com esse tipo de abordagem do que com a de “cada um por si só”, especialmente numa comunidade que ainda está numa fase muito inicial do desenvolvimento”, afirmou Martin Kõiva.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)