Nostalgia

10 marcas dos anos 80 e 90 que hoje têm outro nome

346

Lembra-se de comer um Raider? O seu primeiro telemóvel era da Telecel? Espreite a fotogaleria e recorde como se chamavam estas empresas e produtos que hoje continuam a existir, mas com outro nome.

Autor
  • Tiago Tavares
Mais sobre

A construção de uma marca forte é um maiores desafios para os profissionais do marketing. A conquista da fidelidade dos consumidores é um capital valioso para qualquer negócio e, por isso, mudar o nome de uma empresa ou de um produto é tarefa arriscada, que quase sempre conduz a perdas de vendas no imediato. Mas, por vezes, não há volta a dar, como aconteceu na reorganização do mercado das telecomunicações ou no setor bancário.

Se um Marty McFly português entrasse no seu DeLorean (talvez um Citroën “Boca-de-Sapo”) em 1985 ou 1990 e fosse parar a 21 de outubro de 2015, como no filme, ou mesmo ao dia de hoje, teria dificuldade em encontrar um chocolate Raider, em levantar dinheiro no BESCL ou em usar um telemóvel da Telecel. Mas a nossa fotogaleria ajudá-lo-ia a fazer a correspondência entre as marcas de então e as suas sucessoras hoje.

Clique na imagem acima e veja se ainda se lembra como se chamavam estas marcas há 20 ou 30 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)