Rádio Observador

Hospitais

Entre 225 hospitais no país, 111 são privados

O número de hospitais privados cresceu entre 2005 e 2015 e representa já quase metade do total, tendo aumentado as urgências e as camas de internamento.

De acordo com o INE, dos 225 hospitais que, em 2015, existiam em Portugal, 114 pertenciam aos serviços oficiais de saúde e 111 eram privados

Hugo Delgado/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O número de hospitais privados cresceu entre 2005 e 2015 e representa já quase metade do total, tendo aumentado as urgências e as camas de internamento, segundo dados do INE divulgados esta quinta-feira a propósito do Dia Mundial da Saúde. De acordo com o INE, dos 225 hospitais que, em 2015, existiam em Portugal, 114 pertenciam aos serviços oficiais de saúde (110 hospitais públicos e quatro em Parceria Público-Privada) e 111 eram privados (49,3%).

Enquanto no continente a maioria dos hospitais pertencia ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), nas regiões autónomas predominavam os hospitais privados: três hospitais públicos e cinco privados nos Açores e três hospitais públicos e seis privados na Madeira.

Em 2015, foram realizados cerca de 7,3 milhões de atendimentos nos serviços de urgência dos hospitais, 84,8% dos quais em hospitais públicos ou em PPP. Nos hospitais privados, os atendimentos nos serviços de urgência mais do que duplicaram entre 2005 e 2015, passando de 7,1% para 15,2%. A doença motivou a maioria dos atendimentos nos serviços de urgência dos hospitais (81,5%).

Os dados do INE indicam ainda que, em 2015, continuaram a aumentar as camas de internamento nos hospitais privados. Nesse ano, existiam 35.223 camas disponíveis e apetrechadas para internamento imediato de doentes, das quais 68,2% em hospitais públicos ou em PPP (24.027) e as restantes 31,8% em hospitais privados (11.196).

Enquanto os hospitais dos serviços oficiais de saúde registavam, em 2015, aproximadamente menos 4.500 camas de internamento do que em 2005, no mesmo ano verificava-se o aumento de camas nos hospitais privados. “Quase 90% das camas de internamento dos hospitais públicos ou em PPP no ano de 2015 encontravam-se em enfermarias”, enquanto nos hospitais privados a percentagem de camas de internamento em enfermarias, apesar de maioritária, era inferior a 55%.

Nos privados, “os quartos semiprivados e privados representavam cerca de 40% das camas de internamento (4.629)”, enquanto nos hospitais públicos não vão além das 286 camas.

O INE refere que as especialidades com maior número de consultas médicas na unidade de consulta externa dos hospitais públicos ou em PPP foram a Oftalmologia, seguindo-se a ginecologia-obstetrícia, a cirurgia geral e a ortopedia. Nos privados, foram a ortopedia, a oftalmologia e a ginecologia-obstetrícia. Ainda em 2015, foram realizadas nos hospitais portugueses 911 mil cirurgias e cerca de 189 mil pequenas cirurgias. “Cerca de 73% das cirurgias (exceto pequenas cirurgias) foram realizadas em hospitais públicos ou em PPP, das quais 84,2% foram programadas, ou seja, decorrentes de admissões programadas”, lê-se na nota do INE.

Em relação aos hospitais privados, as cirurgias programadas tinham um peso maior: 97,3% do total de cirurgias em 2015. O mesmo documento aponta para 140 milhões de atos complementares de diagnóstico nos hospitais portugueses, em 2015.

Perto de 92% destes atos foram realizados em hospitais públicos ou em PPP, o que representa um reforço do peso percentual em relação ao ano 2014 e contrasta com a diminuição dos atos complementares de diagnóstico realizados pelos hospitais privados: de 12,8 milhões em 2014 para 11,8 milhões em 2015. Pelo contrário, foram sobretudo os hospitais privados que aumentaram o número de atos complementares de terapêutica realizados, passando de 6,1 milhões em 2014 para 6,8 milhões em 2015. Nesse ano, foram realizados cerca de 23,7 milhões de atos complementares de terapêutica, principalmente em hospitais dos serviços oficiais de saúde (71,3%).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)