A atividade económica em Portugal arrisca uma inversão negativa nos próximos 6 a 9 meses, a julgar por um indicador avançado da OCDE que tenta prever mudanças do ciclo económico. Um valor de 100 simboliza a fronteira entre contração e expansão e, pelo segundo mês consecutivo, o indicador relativo a Portugal ficou abaixo desse valor — em fevereiro, o indicador avançado baixou para os 99,7 pontos, depois de ter “furado” a barreira dos 100 em janeiro (99,9).

Desde outubro de 2013 que Portugal não registava um indicador abaixo de 100 pontos, como aconteceu em janeiro e fevereiro deste ano.

Em comparação, o indicador em Espanha também caiu nestes dois meses para menos de 100, ainda que em Espanha o valor de fevereiro se tenha fixado em 99,9 pontos. A economia espanhola tem, contudo, tido taxas de crescimento muito superiores (o dobro, sensivelmente) do que em Portugal.

“Os indicadores económicos avançados são concebidos para antecipar pontos de viragem na atividade económica, numa horizonte de seis a nove meses, e apontam para um ímpeto de crescimento estável na área da OCDE”, pode ler-se no comunicado de imprensa divulgado esta segunda-feira.

Crescimento acelera, mas economia vai demorar mais três anos a recuperar nível de 2008