Um asteróide com 650 metros de comprimento, aproximadamente seis campos de futebol, vai passar a apenas 1.8 milhões de quilómetros da Terra na próxima quarta-feira, anunciou a NASA. Essa distância corresponde a 4,5 vezes a distância entre o nosso planeta e a Lua. Embora não haja qualquer hipótese de o asteróide vir a embater na Terra, tranquiliza a agência espacial norte-americana, esta é uma aproximação muito grande e pouco comum para um objeto deste tamanho. A partir da noite de quarta-feira até à noite de quinta-feira, o asteróide pode ser visto a atravessar o céu noturno com um pequeno telescópio.

2014 JO25, nome oficial do asteróide, foi descoberto em maio de 2014 e faz parte do grupo “NEO” ou “Near-Earth Objects” porque é um corpo celeste cuja trajetória se aproxima tanto da Terra que pode vir a colidir com o planeta. Análises feitas pelos astrónomos do Catalina Sky Survey em Tucson, Arizona (Estados Unidos), um projeto da NASA em parceria com a Universidade do Arizona, permitiram estudar inteiramente a trajetória do asteróide e saber que tem uma superfície duas vezes mais refletiva do que a Lua. Mas os cientistas esperam aproveitar esta oportunidade para saber mais sobre as características físicas do asteróide.

É muito comum que as órbitas da Terra e de pequenos asteróides se aproximem, mas esta é a primeira vez desde setembro de 2004 que um asteroóide destas dimensões se aproxima tanto do nosso planeta. Há treze anos, o asteróide Toutatis (com 4,6 quilómetros de comprimento) aproximou-se a uma distância equivalente a quatro vezes a que separa a Terra e a Lua. Foi a maior aproximação à Terra de um corpo celeste tão grande alguma vez registada.

Agora, só daqui a dez anos é que poderemos assistir a uma aproximação tão estreita: em 2027, o asteroide 1999 AN10 (com 800 metros de comprimento) vai a aproximar-se a uma distância lunar.