Nostalgia

O estagiário que criou o Solitário do Windows

372

Um dos jogos de computador mais populares de sempre foi criado por um estagiário da Microsoft. Wes Cherry programou o jogo de cartas nos tempos mortos do estágio e nunca recebeu nada pela invenção.

Wes Cherry criou o jogo Solitaire em 1990, quando era estagiário na Microsoft.

DR

Autor
  • Tiago Tavares

Em 1988, o informático Wes Cherry era estagiário na Microsoft e foi lá que criou, nos seus tempos mortos, um jogo que iria mudar a vida de milhões de procrastinadores em todo o mundo: o Solitário. A adaptação para computador do clássico jogo individual de cartas não partiu de uma estratégia da empresa, mas sim da iniciativa de um estagiário entediado.

“Como não havia muitos jogos naquela altura, nós tínhamos de os inventar”, conta Wes Cherry numa entrevista que deu ao site Great Big Thing na sua casa em Vashon Island, estado de Washington. Numa altura em que a maioria das famílias ainda não tinha computador em casa, a versão informática da “paciência” passou a ser incluída no pacote inicial de jogos da versão 3.0 do sistema Windows, em 1990. Para tal, foi essencial a aprovação de Bill Gates, fundador da Microsoft, que, no entanto, considerava o jogo “demasiado difícil”. Pelo comentário, presume-se que Gates raras vezes terá visto a cascata de cartas que premiava os jogadores que conseguiam arrumar, por ordem crescente, todas as cartas dos quatro naipes.

Na altura, o jogo foi apresentado como uma forma de treino para o uso do rato. Na prática, foi sempre motivo para horas e horas de tempo perdido, em casa ou no emprego. Wes, que não recebeu qualquer pagamento pela invenção, tinha até introduzido um comando que protegia os procrastinadores — com um simples premir de uma tecla, abria-se uma folha de cálculo falsa, caso o chefe se aproximasse — mas a Microsoft fê-lo retirar essa opção.

Wes Cherry brinca na sua página do Facebook sobre os desenhos dos baralhos do seu jogo.

Ironia do destino: o homem que criou um produto que todos associamos ao Windows da Microsoft hoje trabalha com maçãs (em inglês, “apple” — diz-lhe alguma coisa?). Wes Cherry e a sua mulher, Laura, cultivam maçãs para fazer cidra (são responsáveis pela marca Dragon’s Head Cider) e têm um filho, Quentin, de oito anos.

Wes Cherry com a sua família nos campos onde cultivam maçãs para cidra.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)