No último ano, a dívida fiscal considerada incobrável aumentou mil milhões de euros, de 2,92 mil milhões para 3,92 mil milhões de euros (34%). Entre abril do ano passado e o mesmo mês deste ano, esta dívida cresceu para o valor mais alto dos últimos dez anos.

Os dados constam do Boletim Mensal dos Créditos Tributários (BIM) revelado na edição deste domingo do Diário de Notícias e onde é possível verificar que 58% do valor corresponde a contribuintes com dívidas superiores a 250 mil euros. De acordo com o jornal, a maioria destes contribuintes pertence ao distrito de Lisboa (5518) e Porto (3741).

No documento conclui-se que a Autoridade Tributária e Aduaneira “é mais eficaz a cobrar dívida nova”: “A carteira de abril de 2017, relativamente às carteiras do final dos anos de 2015 e 2016, revela uma dívida mais envelhecida, tanto quanto ao ano de tributação como de instauração”.

A dívida considerada incobrável é aquela em que não é possível identificar o contribuinte em causa, ou quando não existem bens penhoráveis relativos ao mesmo. Um dos serviços de Finanças onde está concentrada a maior parte desta dívida localiza-se no Porto, outro em Lisboa, Matosinhos, Maia e Cascais.

No mesmo período de tempo, o total da carteira de dívida também deu um salto de 18 559 milhões para 18 876 milhões de euros.