100% português

Flausinas. Costas ou frente? Estes vestidos vendem-se às metades

915

Engenhosos, com pinta e às metades. Os vestidos de Inês Risques podem ser combinados à medida e desafiam a criatividade dos estilos mais cinzentos. Como? O segredo está nos fechos.

Basta um simples rodopiar para perceber o que é que estes vestidos têm de tão especial. Pelo menos, para Inês Risques, de 34 anos, a engenhoca demorou o seu tempo a fazer sentido e ainda mais a ganhar forma. Mas valeu cada dia, semana e cada mês de experiências à volta de tecidos e máquinas de costura. Três anos depois dos primeiros vislumbres de um vestido, as Flausinas saíram à rua, com dois fechos estrategicamente costurados. Quando abertos, frente e costas tornam-se peças separadas, combinadas e recombinadas ao gosto de cada uma.

“Comecei a pôr em causa porque é que um vestido é feito por inteiro, porque é que a parte da frente se cose à parte de trás”, afirma Inês, a criadora da marca. E o melhor ainda está por contar. A ideia peregrina surgiu-lhe enquanto estava a fazer um mestrado em gestão, na África do Sul, depois de oito anos a trabalhar com mercados financeiros em Nova Iorque e em Londres. O bichinho da moda falou mais alto e as aulas de costura que lhe foram ocupando os tempos livres na Cidade do Cabo também. Atenta às tendências, o consumismo desmedido nunca foi a praia de Inês Risques, daí a ideia de negócio ter passado por reinventar um dos clássicos do guarda-roupa feminino e transformá-lo num pequeno camaleão, hoje logótipo da marca.

As duas metades de cada vestido unem-se através de fechos. © Divulgação

“O conceito estava lá. Eu sabia que era isto, apresentei à minha avó de 90 anos, que percebe de costura, ela aprovou e comecei a fazer protótipos”, conta. Parece simples, mas o caminho ainda se complicou. Quando Inês percebeu que o que queria fazer era uma única metade que tanto pudesse ser usada à frente como atrás, foi chocar em cheio nos cânones da modelagem. Nada que não tenha sido ultrapassado com o corte certo: silhueta oversized e mangas curtas.

A loja online abre no fim de junho e a primeira coleção das Flausinas traz 20 opções, estampados e cores lisas, para combinar ao gosto da clientela. O tamanho é único e assenta bem a todas. Os padrões são desenhados por Inês e, da estampagem à hora de coser os fechos, tudo é feito em Portugal, entre o Norte e os arredores de Lisboa. O material, uma fibra de toque acetinado chamada tencel, é esvoaçante, a combinar com as próprias Flausinas. Inês, atualmente professora assistente na Universidade Nova de Lisboa, sempre quis um nome bem português para a marca. Encontrou nestas mulheres vaidosas e sem medo de dar nas vistas a expressão perfeita para os seus meios vestidos.

Nome: Flausinas
Data: 2017
Pontos de venda: loja online (abre no final de junho)
Preços: 49€

100% português é uma rubrica dedicada a marcas nacionais que achamos que tem de conhecer.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)