O agente português de futebol Jorge Mendes foi ouvido esta terça-feira de manhã no Tribunal de Instrução número 1 de Pozuelo de Alercón, em Madrid, como arguido no processo da alegada fuga ao fisco do jogador colombiano Radamel Falcão. À chegada ao tribunal, Jorge Mendes recusou-se a prestar quaisquer declarações aos muitos jornalistas que aguardavam a sua chegada.

Em causa está o facto de o atual jogador do Mónaco e ex-jogador do FC Porto ter sido acusado de lesar o fisco espanhol em 5,66 milhões de euros, quando atuava no Atlético de Madrid entre 2012 e 2013. O jogador colombiano é acusado de ter criado uma sociedade com o objetivo de ocultar do fisco espanhol as receitas geradas em Espanha com os seus direitos de imagem — 822.609 em 2012 e 4.839.253 euros em 2013 –, valores que também não foram declarados fora de Espanha.

No início deste mês, quando foi ouvido pela juíza Mónica Gómez Ferrer e questionado sobre quem o assessorou na criação da offshore, Falcao terá adiantado o nome de Jorge Mendes.

Falcao não é o único jogador sob a alçada do agente Jorge Mendes que está a ser investigado em Espanha. São muitos os atletas com ligações à Gestifute de Jorge Mendes que estão a ser alvo da justiça espanhola, como é o caso de Ricardo Carvalho, Fábio Coentrão, Di María e Cristiano Ronaldo. Todos cederam os seus direitos de imagem a uma sociedade nas Ilhas Virgens, que depois os cedia a outras duas sociedades com sede na Irlanda, a MIM e a Polaris. A Polaris é dirigida por Luís Correia e detida em 60% por Jorge Mendes.