Rádio Observador

Comida

Mercado Beira-Rio em Gaia abre-se ao século XXI em agosto

1.911

Bancas de frutas e legumes, mas também restaurantes, lojas, espaços para prova de vinho do Porto e um palco para concertos. O Mercado junto ao rio Douro está de cara lavada e quase pronto a inaugurar.

Fotografia tirada a 30 de junho. As obras finais no Mercado ainda decorrem.

© Foto cedida ao Observador

O velho Mercado Municipal da Beira-Rio, em Vila Nova de Gaia, entra no século XXI no final deste mês. Depois de meio ano encerrado para obras profundas de reabilitação, ficaram os mesmos vendedores de frescos, aos quais se juntam agora restaurantes e lojas. Ao todo, vão ser criados 40 postos de trabalho fixos, mais alguns sazonais em época de verão.

“Ao todo temos mais de 30 lojas e bancas, mais dois espaços culturais: um vocacionado para conferências e workshops, e outro mais musical, com um palco”, adianta ao Observador o presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia. Eduardo Vítor Rodrigues quer que o mercado conquiste pelo estômago, mas não só. A ideia é reproduzir o modelo do Mercado de San Miguel, em Espanha, ou seja, “aliar o mercado ao lazer, onde as pessoas possam ter experiências de cozinha gourmet, workshops e também uma componente cultural“, explica o autarca.

O mercado conta com 1.180 metros quadrados e dois pisos. Em cima nasceu uma mezzanine, que pode ser alugada para alguns eventos privados. Na zona de esplanada interior haverá então concertos e outros eventos. Cá fora, na parte da frente da fachada, os clientes encontram uma esplanada generosa. “O mercado ocupará em momentos de maior frequência a esplanada exterior traseira e lateral”, acrescenta Eduardo Vítor Rodrigues. O objetivo é criar “um quarteirão cultural e de lazer”.

Aspeto do interior, segundo uma maquete 3D cedida ao Observador.

Os vendedores de frutas, legumes, talho e peixaria “mantiveram-se todos, menos um que desistiu”, sublinha. As rendas, garante, são as mesmas para os antigos. As condições em que trabalham agora é que melhoraram a olhos vistos. A fachada amarelada voltou ao rosa original, substituíram-se as telhas de amianto por telhas iguais às do projeto original. Entre outras melhorias, arranjaram-se as caixilharias, numa obra que custou “muito perto dos dois milhões de euros”, adianta José Rodrigues, um dos sócios da concessionária Douro Wine Maket — uma parceria entre a sociedade Lúcio da Silva Azevedo & Filhos e a Legível Puzzle –, que ficará com a concessão durante 30 anos.

“Foi tudo da responsabilidade da concessionária”, esclarece o autarca socialista, que ainda vai contabilizar um encaixe de 2.000€ por mês de renda. O único investimento público feito que beneficia o mercado foi a reabilitação da Avenida Diogo Leite.

O Mercado fica na marginal de Vila Nova de Gaia, junto às caves do vinho do Porto. Para não deixar fugir os muitos turistas que procuram o néctar, há dois espaços que vão vender vinho do Porto e promover provas, conta Eduardo Vítor Rodrigues. José Rodrigues acrescenta que as cervejas ficam no centro do espaço e são da reponsabilidade da UNICER.

Na parte frontal haverá uma esplanada. © Foto cedida ao Observador

De resto, haverá restaurantes de “leitão, petiscos, sushi, gelados, uma mariscaria, cachorros, francesinhas“, conta José Rodrigues, citando alguns exemplos. Algumas marcas ainda não estão escolhidas. “Existem três vezes mais interessados para os lugares que temos. A Santini está interessada, os chefs José Avillez e Rui Paula, de acordo com o responsável, também.

A reabilitação do Mercado da Beira-Rio foi uma das promessas eleitorais do autarca socialista, que queria também construir em cima residências universitárias. Por falta de espaço, essa construção não foi possível, mas o Mercado aí está. Dia certo para a inauguração, Eduardo Vítor Rodrigues não promete. Mas afiança que, “na última semana de julho, o mais tardar na primeira semana de agosto”, todos poderão conhecer a segunda vida do espaço. “Otimismo exacerbado“, aponta o concessionário, que considera mais provável que o Mercado da Beira-Rio só se dê a conhecer “em meados de agosto”.

“Admito que venhamos a replicar o modelo noutros sítios à beira-mar”, admite. Mercados inteiros ou restaurantes. No dia 18 de julho inaugura um restaurante no topo do Mercado da Afurada, concessionado pela autarquia ao Grupo Madudeira’s.

Nome: Mercado Municipal da Beira-Rio
Morada: Av. de Ramos Pinto 148, 4400-261 Vila Nova de Gaia (Cais de Gaia)
Horário: Verão (1 de maio a 30 de setembro): de segunda a quarta, das 10h às 00h, de quinta a domingo, das 10h às 02h
Inverno (1 de outubro a 30 de abril): de segunda a quarta, das 10h às 23h, de quinta a domingo, das 10h às 00h

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)