A Federação Nacional da Educação (FNE) admitiu nesta sexta-feira voltar a recorrer à greve se o Governo não ceder às suas reivindicações, como o descongelamento das carreiras de todos os professores e a reforma após 36 anos de serviço. “Poderá acontecer o recurso à greve, com contornos diferentes dos habituais”, afirmou à Lusa, sem precisar os contornos, o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva, depois de fazer, através de uma declaração, o balanço do ano letivo 2016/2017, que terminou em junho.

“Não vamos permitir que o ano letivo [2017/2018] avance sem que nenhuma resposta concreta a estas matérias seja dada”, frisou. O descongelamento da carreira para todos os professores, a partir de 01 de janeiro, a aposentação após 36 anos de trabalho, a definição de “determinados limites” para a componente não-letiva, “um poço sem fundo que permite o funcionamento regular das escolas”, e o fim da precariedade foram as principais reivindicações enumeradas por João Dias da Silva.

Reivindicações que levaram os professores a fazerem greve em 21 de junho, dia de exames e provas de aferição. A paralisação, que contou com serviços mínimos, foi convocada pela FNE, afeta à UGT, e por uma outra estrutura sindical, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), afeta à CGTP-In.