Isaltino Morais anunciou esta quarta-feira, em declarações à RTP, que irá apresentar na quinta-feira a reclamação formal contra a decisão do juiz Nuno Tomás Cardoso de rejeitar a sua candidatura à câmara municipal de Oeiras.

Desvalorizando a polémica relativa às acusações que fez sobre as relações de proximidade entre o juiz e o atual presidente da câmara, Paulo Vistas, Isaltino Morais insistiu que o que lhe importa é que a justiça confirme que a sua candidatura “cumpriu escrupulosamente os requisitos legais”.

“Não acusei ninguém, muito menos os juízes. Apenas constatei factos de proximidade entre o juiz titular e o atual presidente da câmara municipal”, referiu Isaltino Morais, sublinhando que essas relações “são conhecidas” e que se limitou “a referi-las”.

No entanto, o candidato à autarquia de Oeiras sublinhou que face às relações de proximidade “indesmentíveis”, o juiz não deveria ter assumido a responsabilidade de tomar esta decisão. “Eu, se fosse juiz, teria solicitado escusa para este caso”, afirmou Isaltino, sublinhando que em situações como esta, “obviamente, o nosso juízo pode ser enviesado”.

Mostrando-se “convencido de que não será o mesmo juiz” a avaliar a reclamação, Isaltino Morais defendeu que o seu “foco é no desenvolvimento deste concelho” e que por isso a “questão fundamental” é que a “candidatura cumpriu escrupulosamente os requisitos”. “Espero que seja feita uma análise objetiva da situação”, afirmou o candidato à autarquia de Oeiras.