Rádio Observador

Música

Festival Iminente: três dias de música e arte urbana em Oeiras

No Jardim Municipal de Oeiras ultimam-se os preparativos para acolher, a partir de sexta-feira, a segunda edição do festival Iminente, que junta música e arte urbana.

Os três mil bilhetes diários esgotaram em dois dias

RODRIGO ANTUNES/LUSA

No Jardim Municipal de Oeiras ultimam-se os preparativos para acolher, a partir de sexta-feira, a segunda edição do festival Iminente, que junta música e arte urbana. O Iminente foi criado “para mostrar a nova música moderna e a nova arte moderna” que se fazem em Portugal e países lusófonos, e irá reunir no mesmo espaço mais de 40 artistas individuais e coletivos, entre músicos, DJ, produtores, designers, ilustradores e artistas visuais.

Na quarta-feira, quando a Lusa visitou o espaço, ultimavam-se algumas obras de arte e colocavam-se outras nos locais devidos, montava-se a pista de carrinhos de choque e espalhava-se a sinalética.

Por ali estavam ainda duas das peças da primeira edição, que decorreu em setembro de 2016: uma peça em cimento de Vhils e a pintura do espanhol Okuda numa pequena casa de madeira.

No ribeiro que atravessa o jardim deveriam estar também os dois flamingos gigantes criados por Bordalo II há um ano, “mas choveu, o rio subiu e os flamingos foram embora”. “Um deles foi resgatado por um barco de pescadores no Bugio e entregue à Câmara Municipal de Oeiras”, contou à Lusa Adilson Lima, um dos cofundadores do Iminente.

O “jardim mágico, que faz com que as peças ganhem vida própria” é “o berço” do festival, com incursões noutros locais. Em julho houve uma edição em Londres, que irá “repetir-se nos próximos anos”, e incursões noutros locais, “mas ainda é muito cedo para falar”.

Sobre a edição deste ano, Adilson Lima não revela muito, porque “o objetivo é as pessoas visitarem e perceberem” e, quem não conseguir ir — os três mil bilhetes diários esgotaram em dois dias — “ficar com bichinho e ir para o ano”.

No entanto, o organizador levanta o véu em relação ao momento “único, uma estreia a nível mundial” que irá encerrar o festival no domingo: uma performance artística de Vhils e DJ Ride.

Além de Vhils, no cartaz de atos artísticos estão também o argentino Felipe Pantone e os portugueses ±maismenos±, Berru, Bordalo II, Draw e Contra, Estúdio Pedrita, Fábio Colaço, FAHR 021.3, Glam, Jorge Charrua, Kruella d’Enfer, Maria Imaginário, Mosaik, Obey SKTR, Teresa Esgaio, The Caver, Youthone e Pedro Coquenão. Este último, músico e produtor, “vai ter uma emissão de rádio a passar no festival”, durante a qual se poderá “perceber as influências artísticas que o levam a fazer música”.

Do cartaz musical, Adilson Lima destaca as atuações dos Orelha Negra, na sexta-feira, dia em que editam o terceiro álbum de originais, e de Allen Halloween, no mesmo dia, que irá apresentar ao vivo Unplugueto. Na sexta-feira irão atuar também TRKZ, Young, You Can’t Win, Charlie Brown, Kroniko, Slow J, Scúru Fitchádu, Throes + The Shine, Mike El Nite, Capitão Fausto, DJ Yen Sung e DJ Marfox + DJ Nervoso.

Para sábado estão marcadas as atuações de Cachupa Psicadélica, NBC, Vado Más Ki As, Chullage e convidados, Karlon, Hollyhood e convidados, DJ Big, Regula, Shaka Lion, Branko, Enchufada Na Zona (Raustronaut e convidados), e Xinobi e Moullinex.

No domingo atuam Pro Seeds, Noiserv, Bruno Pernadas, Rock Marsiano e Meu Kamba Sound, Capicua, DJ Maskarilha, Carminho e, a encerrar, DJ Ride e Vhils.

Os concertos dividem-se entre o palco e a pista de carrinhos de choque.

O festival irá também aproveitar, tal como no ano passado, a estufa do jardim para aí expor algumas obras, uma delas uma peça de luz interativa. Em 2016, havia uma carruagem de metro pintada por “veteranos do graffiti“, este ano não há carruagem, mas há portões que serão preenchidos com trabalhos de ‘writers’ “com provas dadas e créditos firmados”.

Tal como no ano passado, uma parcela das receitas do Iminente irá reverter a favor de uma associação sem fins lucrativos. Em 2016 a beneficiária foi a Batoto Yetu. “Este ano ainda vamos escolher”, referiu Adilson.

Haverá também uma loja da Underdogs, responsável pela curadoria da parte artística do festival, com uma seleção de livros, edições artísticas e outros produtos. No âmbito do Iminente serão disponibilizadas edições novas, pré-lançamentos e as edições criadas para o festival em Londres.

As portas do festival abrem às 14h00 nos três dias e os concertos começam às 16h20, na sexta-feira, 15h40, no sábado, e 15h00, no domingo. Os bilhetes são de entrada única, “quem quiser sair do recinto não poderá voltar a entrar”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
226

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)