O parlamento do Peru retirou a confiança ao governo do primeiro-ministro, Fernando Zavala, o que obriga à demissão de toda a equipa governativa e à formação de um novo Executivo em 72 horas. O Fuerza Popular, partido em maioria no Congresso, foi o artífice da moção de confiança ao primeiro-ministro durante um debate que se prolongou por mais de sete horas e no qual os seus 71 deputados advertiram que votariam contra Zavala.

Fernando Zavala tinha pedido ao Congresso um voto de apoio à política de Educação do governo peruano. No final, 77 deputados chumbaram a moção de confiança a Zavala e aos seus ministros; 22 apoiaram-na e 16 abstiveram-se entre os 115 presentes na votação.

A possibilidade de se verificar este desfecho no parlamento tinha levado já o Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, a suspender na quinta-feira a sua viagem a Nova Iorque, onde era suposto ir assistir à Assembleia-Geral das Nações Unidas, e ao Vaticano, onde iria reunir-se com o papa Francisco.

O anúncio do cancelamento foi feito pela vice-presidente do Peru Mercedes Aráoz à imprensa local que indicou que “não era possível” Pedro Pablo Kuczynski iniciar uma viagem dadas as tensões políticas no país. Aráoz detalhou que, neste momento, a viagem a Nova Iorque está em “suspenso”, enquanto a do Vaticano deverá ser reprogramada para outra ocasião. A viagem de Kuczynski foi aprovada, na semana passada, pelo parlamento dominado então pelo Fuerza Popular.