O Red Frog, em Lisboa, acaba de alcançar o 92.º lugar na lista do The World’s 50 Best Bars. Esta é a primeira vez que um espaço português aparece representado nesta ilustre lista que é feita pelos mesmos organizadores do evento The World’s 50 Best Restaurants. E atenção que não é erro: o título oficial desta lista fala em 50 bares mas o ranking completo inclui cem espaços.

Quando o Red Frog abriu, em maio de 2015, Emanuel Minez (o proprietário) disse ao Observador que se dali a três anos não estivessem na lista dos melhores bares do mundo, ele “arrumava as coisas” e “seguia para outra”. Ora hoje, um ano antes do prazo que havia estabelecido, a vitória bateu à porta quando a organização do evento divulgou os bares listados entre as 51.ª e 100.ª posição — o top 50 só será anunciado a cinco de outubro, numa cerimónia em Londres.

“Acabámos de saber há bocado, eu e o Paulo, quando recebemos um e-mail da organização”, conta Minez ao Observador. O empresário reafirma que esta conquista era um objetivo que o projeto tinha “desde o princípio”, e que o 92.º lugar “já é meio caminho” percorrido. Quando questionado sobre o segredo por trás desta subida meteórica (o galardão que o espaço recebeu remete ao ano de 2016, o segundo ano de funcionamento da casa), Emanuel Minez limitou-se a dizer que “é muito trabalho, esforço e dedicação”. Sente-se muito contente por “já ter feito história” mas reitera que ainda há trabalho por fazer: “Sabemos que é muito difícil — Portugal ainda tem um meio muito pequeno –, mas queremos chegar ao top 50”.

Lisboa vai ter um dos melhores bares do mundo

O Red Frog é um bar speakeasy (inspirou-se nos bares clandestinos dos anos 20, nos Estados Unidos) situado na zona da Avenida da Liberdade e que tem atrás do balcão o barman Paulo Gomes. Servem-se cocktails de autor e o espaço inclui uma sala secreta, que pode ser alugada para festa privadas.