Empreendedorismo

Os empreendedores falham mas recuperam: a Failproof explica como

A Failproof Academy organiza um ciclo de seminários para contornar o fracasso, que arranca esta quarta-feira com o objetivo de reunir empreendedores que vão poder avaliar o risco dos seus negócios.

No passado, os responsáveis do "Contorna o Fracasso" participaram na organização das FuckUp Nights

Mario Pires/FailProof Business Academy

Autor
  • João Costa

— “O que é isto do fracasso? Podemos contorná-lo?”

A pergunta parte de Pedro Colaço, um dos organizadores do ciclo de seminários “Contorna o fracasso”, da Failproof Business Academy, que arranca esta quarta-feira (dia 20) em Lisboa. Neste evento, empreendedores de todas as áreas e faixas etárias vão poder reunir e perceber que os fracassos “fazem parte da vida”. O objetivo é aprender com os erros, “numa lógica de pedagogia do fracasso”.

“Ninguém vai resolver os erros do passado”, garante Pedro. Ao invés disso, ao longo de seis sessões diferentes vão ser discutidas estratégias preventivas e atitudes a adotar na gerência de um negócio.

A ideia surge pelas mãos da Failproof mas tem raízes num evento internacional de origem mexicana, o FuckUp Nights, que Sofia Ferreira Simões trouxe para Lisboa em 2016. No FuckUp Nights, em vez da estratégia pedagógica, o ambiente é de conversa e partilha, do género “Fracassos Anónimos”. Mas a Failproof pega no conceito e torna-o “mais construtivo”. A última edição do FuckUp Nights Lisboa chegou aos 400 inscritos e contou com 250 participantes. A próxima está prevista para outubro (o pré-registo pode ser feito aqui).

Pedro Colaço juntou-se a Sofia Ferreira Simões “numa fase posterior, quando achava que podíamos fazer mais” e surgiu a Failproof.

Os empreendedores que se registarem neste ciclo de seminários podem avaliar o risco ou solidez de uma ideia ou negócio e “identificar as principais fragilidades”. Com base nos perigos ou riscos que um negócio enfrenta, “é possível educar conscientemente para o fracasso: não se eliminam fracassos, mas evitam-se”, esclarece Pedro.

Não faltam histórias [de fracassos]. A lógica é aprender com os erros. A lógica é construtiva. Porque ouvimos falar de histórias de sucesso e de grandes histórias, mas não ouvimos falar dos percalços.”

É nessa lacuna que surge o ciclo, como explica a apresentação do projeto: “Todos os empreendedores têm um objetivo comum: garantir que o seu negócio não fracassa. Mas empreender é como viajar no espaço numa zona de asteróides; sem um mapa da sua localização as probabilidades estão contra nós.”

A iniciativa “não se vai repetir” no curto prazo, pelo menos. A Failproof também realiza seminários orientados para empresas e nos planos está o mercado universitário: “Está previsto ir para as universidades, mas ainda não foi possível fechar datas”.

O ciclo de seminários “Contorna o fracasso” é de entrada gratuita mas sujeito a inscrição. Em Lisboa, há sessões agendadas até 19 de outubro. As informações sobre cada sessão — e sobre as inscrições — podem ser consultadas aqui.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Editado por Ana Pimentel
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Uber: o entrepreneur vai nu?

Fernando Pinto Santos
309

O dinheiro dos investidores da Uber subsidia as viagens e é o que permite a oferta de preços competitivos. Isto é sustentável? É este o paradigma de empreendedorismo que desejamos?

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)